Top Ad unit 728 × 90

Textos para o Dia Internacional da Mulher.

Mulher
Nada te supera
Muito menos substitui,
cada gota de teu sangue flui Em teu corpo É O verdadeiro apelo do amor!
Perfeita!
Tão perfeita quanto a natureza
A luz do dia Imitada, jamais igualada!
Vaidosa!
Não importa idade Mulher menina, Mulher mocinha, Mulher Em qualquer idade
Desde cedo já sabes cativar!
texto dia da mulher
És Mulher!
Na simplicidade
Na elegância
Mostrando toda feminilidade
No prazer da conquista.
És mulher!
No labor do trabalho
Tendo mãos calejadas

Veja também: Dia Internacional da Mulher.

Pele grossa ou enrrugada
No calor castigante do sol!
Mulher que ama
Que sofre
Que sonha
Que pede carinho
Como flor,
Machuca em seus espinhos!
Mulher!
Sempre mulher,
Que acalenta o filho acalma a alma
Do homem Separando espinhos da flor!
Mulher!
Você mulher! Que vai a luta É guerreira Que deixa de viver seu sonho Para ver o outro sonhar!
Marta Peres

Entre a carreira e a Família

Eduardo Gama
Economista norte-americana explica as dificuldades que a mulher enfrenta para conciliar o trabalho e a família.
Em nenhuma outra época da história a mulher teve de se questionar sobre as suas escolhas como hoje. A dúvida entre investir seu tempo e seus esforços em uma carreira profissional ou dedicar-se à construção de uma família angustia muitas mulheres. Para elas, a vontade natural de ter filhos pode se tornar um problema.
Com o objetivo de entender esse dilema, a economista norte-americana Sylvia Ann Hewlett realizou uma pesquisa entre mulheres bem remuneradas e com alto nível de instrução. O resultado foi a publicação do livro Creating a life; Women and the Quest for Children. Em um artigo publicado pela revista Exame (29/05/02), a economista afirma que entre as mulheres norte-americanas que ganham mais de cem mil dólares, 49% não têm filhos, enquanto entre os homens esse percentual é de 19%.
Por que é tão difícil para a mulher ter uma carreira bem-sucedida a ter filhos?
Segundo Hewlett, não foram criadas políticas, tanto no local de trabalho como na sociedade, de apoio às mães que trabalham fora do lar: "Ironicamente, essa falta de política é, de certa forma, culpa do movimento feminista americano.
Se retrocedermos ao século 19, veremos que as feministas dos Estados Unidos canalizaram grande parte de sua energia para a luta pela igualdade formal com os homens", diz a economista.
Outro obstáculo comentado por Hewlett é o modo como as mulheres jovens encaram essa questão. Entre os 20 anos, a mulher pensa que pode se dedicar integralmente à carreira e quando estiver entre os 35 anos poderá pensar na maternidade. Hewlett diz que "a mídia sempre alardeia os avanços da ciência da reprodução, dando às mulheres a ilusão de que podem adiar a maternidade até que suas carreiras estejam consolidadas. As novas tecnologias de reprodução não têm ainda uma resposta para o problema da fertilidade no caso de mulheres mais velhas".
A solução para a dúvida entre carreira e maternidade parece impossível.
Entretanto, a economista dá algumas sugestões para as mulheres que pretendem conciliar o trabalho e a família:
- Imagine que tipo de vida você quer ter aos 45 anos. Se pretende ter filhos (cerca de 86% a 89% das mulheres com salários entre 55 mil e 65 mil dólares anuais querem ser mães) é essencial que você se comprometa com a ideia, e aja rapidamente.
- Tenha o seu primeiro filho antes dos 30. O milagre da maternidade tardia, pouco comum, traz muitos riscos e a sua possível não realização, muitas frustrações.
- Escolha uma carreira que lhe permita controlar seu tempo. Certas carreiras dão mais flexibilidade e não se ressentem tanto de interrupções.
texto dia da mulher
- Escolha uma empresa que se comprometa a ajudá-la a atingir o ponto de equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal. Descubra se a empresa tem programas de jornada reduzida e se concede licença com garantia de retorno ao trabalho".
Uma saída que as norte-americanas estão encontrado é dedicar-se somente à família. Susan De Ritis, fundadora do Family and Home Network, disse que "as mulheres querem ter filhos e criá-los, e estão encontrando caminhospara realizar a tarefa em tempo integral".
A economista Sylvia Ann Hewlett aconselha às mulheres: "Não digo que joguem fora a sua carreira, mas para as mulheres em torno dos 30 anos, idade em que fundar uma família e ter filhos é relativamente fácil, esta deve ser a prioridade, e não o trabalho".
Entretanto, em muitos casos, o trabalho da mulher é uma necessidade para o sustento da família. Mas o que se vê atualmente é uma preferência pela carreira que, a longo prazo, não realiza a mulher tanto quanto a família.
Fonte: INTERPRENSA - ANO VI - Número 60 - Agosto de 2002
texto dia da mulher
Homens a favor das mulheres

Bosco Aguirre
O novo feminismo respeitará a mulher em sua integridade. E isso é algo que interessa não somente às mulheres, mas também a todos os homens que queremos viver, de igual para igual, com aquelas que junto a nós, e não contra nós, podem construir um mundo mais humano e mais feliz.
Parece perfeitamente normal que as mulheres criem associações e promovam atividades para defender a si mesmas ante os ataques e abusos de alguns homens ou de certos grupos de poder. Grupos de poder que promovem, por exemplo, a esterilização forçada de mulheres pobres, ou que exploram com violência mulheres jovens e crianças para levá-las à prostituição, ou que contratam trabalhadoras com salários mais baixos que os dos homens. Nessa mesma lógica, seria normal que os homens (varões) também organizem suas associações de defesa quando se sentissem agredidos por algumas mulheres ou por outros grupos sociais, políticos ou econômicos.
Mas o que poderia parecer estranho é que grupos de mulheres se organizem para defender os homens, ou que grupos de homens se unam para defender as mulheres.
Ainda que para alguns isto pareça um conto das "Mil e uma noites", sem dúvida é algo que a humanidade já o faz durante séculos.
É verdade que o ser humano (homem e mulher) muitas vezes caíram no erro de depreciar o diferente, como quando alguns espanhóis na conquista das américas se perguntavam se os índios tinham alma, ou quando os gregos acreditavam que os escravos não mereciam quase nenhum direito, ou quando alguns "libertadores" da América matavam os colonos da "pátria mãe" como se se tratassem de ratos, sem deter-se em "escrúpulos" para distinguir os bons dos maus…
Porém também é verdade que outros seres humanos foram capazes de defender e de trabalhar em favor do "distinto", do "diferente". Eram homens e mulheres livres os que se lançaram a abolir a escravidão em muitos lugares do planeta. Eram brancos os que promulgaram leis para a proteção dos índios. Eram cristãos os que
pediram maior respeito para com os que pertenciam a outras religiões. Por que não sonhar com um feminismo que nasça desse grupo de varões?
Já ocorreram casos de homens que se lançaram na defesa dos direitos da mulher, porém o caminho para percorrer é longo. Quando sabemos que há lugares em que ele diz sempre a última palavra (ou o último grito), e se chegam a golpes para impor a própria "razão"; quando há médicos que para satisfazer as autoridades, enganam e oferecem anticoncepcionais abortivos a mulheres que carecem de instrução; quando há planos nacionais, como na China, que forçam muitas famílias a assassinar a menina que nasce porque preferiam meninos…a verdade é que ainda há muito que fazer.
texto dia da mulher
Nem todo o panorama é igualmente sombrio. Em muitos lugares o marido sabe dialogar e, inclusive, submeter-se à esposa quando ela tem razão (e isto não ocorre oucas vezes). Há médicos que querem respeitar a integridade da mulher diante de qualquer campanha mais ou menos oficial ou "filantrópica" para controlar o tesouro tão feminino d fecundidade (tesouro que também o homem possui e que não poucos atacam com planos de esterilização mais ou menos forçados). Há famílias que acolhem cada menina que nasce ainda que isto implique viver sob a pressão exterior que sugere aos gritos que nasçam apenas homens…
Urge, para tanto, que cada vez mais homens defendam as mulheres, e que as  mulheres defendam - por que não? - os homens. A grandeza de uma sociedade não consiste em que cada grupo fique em trincheiras atrás de seus interesses particulares para defende-los a custa do bem comum. Uma sociedade se faz grande quando cada grupo busca o bem verdadeiro dos demais, nesse pluralismo autentico que nasce do respeito não aos erros (nunca toleraremos idéias hitlerianas nem racismos de ocasião) mas sim às pessoas que às vezes se equivocam de boa fé, e que necessitam ser ajudadas a descobrir a verdade.
É utopia almejar um novo feminismo aberto? Houve quem chamasse os defensores dos escravos de sonhadores ou inimigos do sistema econômico eficiente. Há aqueles que hoje rotulam como inimigos da mulher os que atacam o aborto ou a esterilização forçada. Porém, será a razão e o sentido profundo da dignidade humana que nos dirão o que realmente podemos fazer pela mulher. Não abandoná-la à lógica de mercado, à lei do mais forte, nem depreciá-la em suas dimensões características, como são a possibilidade de ter filhos ou o carinho que sabe oferecer como poucos homens são capazes. O novo feminismo espeitará a mulher em sua integridade. E isso é algo que interessa não somente às mulheres, mas sim a todos os homens que queremos viver, de igual para igual, com aquelas que junto a nós, e não contra nós, podem construir um mundo mais humano e mais feliz.
Autor: Bosco Aguirre
Fonte: www.mujernueva.org
texto dia da mulher
A mulher mais poderosa do mundo
Certo dia, o então Secretário Geral das Nações Unidas, Pérez de Cuéllar, apresentou-a perante a ONU como "a mulher mais poderosa do mundo" [1].Ganhou o prêmio Nobel da Paz em 1979. Antes, já havia ganho os mais altosprêmios do mundo: desde os prêmios João XXIII da Paz, Balzán, Kennedy, Templeton, o da FAO e o Schweitzer, até os prêmios mais prestigiosos da Índia, como o Pandi Shi ("Ordem do Lótus"), concedido pelo Pandit Nehru, e o Magsaysay, que a proclamou "a mulher mais benemérita do mundo". Recebeu também o título de Doutora em Humanidade pela Universidade de Washington, e, em 1983, a Medalha Presidencial da Liberdade, a mais alta condecoração dos Estados Unidos, concedida pelo Presidente Reagan. Em 1987, na antiga União Soviética, é condecorada com a Medalha de Ouro do Comitê Soviético da Paz [2].
Concederam-lhe passagens de graça em todas as linhas aéreas do mundo, como antes começara por te-la nos bondes, trens e ônibus de Calcutá e depois de toda a Índia.
Seu nome: Inês (Agnes) Gonscha Bojaxhiu, nascida em 26 de agosto de 1910, em Skoplje, um lugar entre a Albânia e a antiga Iugoslávia. A tual República da Macedônia. Foi batizada um dia depois de nascer, e sua família pertencia à minoria albanesa que vivia no sul da antiga Iugoslávia. Mas nunca morou na Albânia. Foi
educada numa escola estatal da atual Croácia, durante os tristes anos da Primeira Guerra Mundial.
Covadonga O'Shea, diretora da revista feminina Telva, escreveu há algum tempo um artigo que se intitulava "Uma mulher que nunca passará de moda", e que começava assim: "Não é Cindy Crawford nem Cláudia Schiffer. Provavelmente, nunca entrou numa boutique, mas é uma das mulheres que marcam o passo à
Humanidade e que deixarão um rasto indelével no século que termina. É muito possível que a preocupação pelo seu look não passe da água e do sabão, mas o seu olhar irradia uma força especial. Sim, é a Madre Teresa de Calcutá, a freira albanesa com um coração de seda e de ferro" [3].
As revistas Time e Paris Match, entre outras, dedicaram-lhe reportagens de capa com o título "Ainda há santos".
O Ulster e Biafra, Ruanda e Angola, a Etiópia e a Somália, o Harlem e o Bronx, o Tondo de Manila e o Líbano, todas as periferias da dor e da miséria mais dilacerante, a Aids e a lepra, a solidão total e o desprezo: esses foram ao longo de sua vida – dia após dia, noite após noite, com uma intensidade dificilmente igualável, comendo mal e dormindo apenas três horas diárias, em permanente vigília de amor – os cenários desta mulher impressionante, sem dúvida a mais admirável protagonista do nosso tempo, uma das mais fortes presenças humanas na história deste século atormentado, miserável, selvagem e maravilhoso...[4]
texto dia da mulher
Ela disse: "Se houvesse pobres na lua, iríamos até lá. O que conta não é o que fazemos, mas o amor que pomos no que fazemos".
Em 1949 funda a Congregação das Missionárias da Caridade, onde se incorporam inúmeras moças de todas as classes sociais. Em 1952 abre o lar infantil Sish Bavan ("Casa da Esperança") e inaugura o seu famoso "Lar para Morimbundos", em Kalighat. A partir dessa data, a sua Congregação começa a expandir-se de maneira irresistível pela índia e por todo o mundo [5].
Já em 1975, vinte e cinco anos após a fundação, tem casas abertas nas Filipinas, Tanzânia, Etiópia, Reino Unido, Bélgica, Estados Unidos, Alemanha, Holanda, Colômbia, Peru, México, Panamá, Ilhas Fidji, Papua-Nova Guiné, Índia, Venezuela, Jordânia, Austrália e Palestina. Em 1981, inaugura em Berlim Oriental a primeira das suas fundações em países submetidos ao marxismo. Depois, fará o mesmo na Rússia, em Cuba e na China comunista. Em 1989, abre uma casa na sua Albânia natal que, apesar de ser um dos países mais pobres, injustos e atrasados do planeta, até há pouco fazia gala de ser o país mais ateu do mundo, o único em cuja Constituição figurava paradoxalmente o ateísmo como "religião do Estado" [6].
Atualmente, são mais de 450 centros de assistência e de caridade em mais de cem nações de todo o mundo, inclusive no Brasil, e quase cinco mil religiosas e duzentos missionários. São, entre outras, albergues para adolescentes grávidas, cozinhas gratuitas para famintos, refúgios para pessoas sem lar, em povoados
pequenos e em grande cidades.
"Uma das provas da verdadeira santidade é a magnitude da ira que provoca entre os que a rejeitam".
Certa vez o escritor peruano Mario Vargas Llosa disse que "não interessa aquilo em que ela crê, mas aquilo que ela faz". Entretanto, nem ela nem ninguém faria o que ela faz, se não cresse em Quem ela crê, e sem crer como ela crê [7].
Fez o contrário das organizações internacionais, com os seus presunçosos programas de ajuda da boca para fora: muitos congressos, muitas reuniões, muitas viagens, muitas entrevistas e muito aparecer na televisão, muita estatística, mas nada de ir aonde ninguém vai, nem de mudar no possível, pouco ou muito, a vida de pessoas concretas. Não das pessoas em abstrato, não; mas de fulano de tal, com lepra; de sicrana de tal, com Aids; de beltrano com nome e sobrenome, que carrega às costas uma cruz na sua família. "Não podemos fazer grandes coisas – costumava dizer -; só podemos fazer coisas pequenas com um grande amor" [8]. Não se resolve o problema da pobreza no mundo acabando com os pobres, nem esterilizando-os, nem reduzindo-os a caricaturas de seres humanos, nem distribuindo dispositivos intra-uterinos ou chantageando os governos que precisam de ajuda ("ou os senhores compram pílulas e preservativos da multinacional A ouB, ou não recebem ajuda"). Ajudam-se de verdade as pessoas quando se faz como a Madre Teresa.
texto dia da mulher
Marie Noëlle Tranchant, contou a curiosa experiência da filmagem de um documentário sobre Madre Teresa: "A mulher mais condecorada e admirada do mundo era a que menos importância dava a si mesma. Não parava. Era o amor em ação, e isso não era nada fácil de filmar". Não se vê no filme uma heroína excepcional fazendo coisas excepcionais; vê-se uma Madre – uma mãe – amando pessoas necessitadas e desvivendo-se nas pequenas coisas indispensáveis de cada dia: essas que, se não as fazem as mães, não as faz ninguém. O amor não consiste apenas em bons sentimentos. Vai às realidades concretas, com ânimo positivo de serviço, persuadido de que é mais veraz e mais importante criar pequenos oásis do que  lamentar-se constantemente de como está seco o deserto do mundo [13].
Os prediletos da Madre Teresa
Na Conferência sobre População e Desenvolvimento no Cairo, Madre Teresa disse [9]:
- O mundo que Deus nos deu é mais do que suficiente, segundo os cientistas e pesquisadores, para todos; existe riqueza mais que de sobra para todos. Só é questão de reparti-la bem, sem egoísmo. O aborto pode ser combatido mediante a adoção. Quem não quiser as crianças que vão nascer, que as dê a mim. Não rejeitarei uma só delas. Encontrarei uns pais para elas. Ninguém tem o direito de matar um ser humano que vai nascer: nem o pai, nem a mãe, nem o Estado, nem o médico. Ninguém. Nunca, jamais, em nenhum caso. Se todo o dinheiro que se gasta para matar fosse gasto em fazer que as pessoas vivessem, todos os seres humanos vivos e os que vêm ao mundo viveriam muito bem e muito felizes. Um país que permite o aborto é um país muito pobre, porque tem medo de uma criança, e o medo é sempre uma grande pobreza.
Uma mulher sem filhos, convertida, pela fé e pelo amor, na mãe mais fecunda do mundo.
Bill Clinton, Presidente dos Estados Unidos, é batista de religião. No meio dos retratos que tem no seu gabinete oval da Casa Branca, encontra-se uma fotografia com dedicatória da Madre Teresa. Clinton nutre verdadeira veneração por ela, apesar de que, cada vez que a recebe, lhe ouve uma repreensão em regra, sem a menor contemplação: a Madre lembra-lhe, não o que há que fazer, mas o que ele, concretamente ele, pode e deve fazer para salvaguardar a paz na justiça e na liberdade, para resolver dignamente os problemas da pobreza e evitar que as mulheres norte-americanas se vejam forçadas ao drama do aborto.
- O aborto provocado - diz-lhe - é uma das minhas maiores cruzes; é a maior barbárie contra a paz do mundo, porque, se uma mãe é capaz de matar o seu filho, o que pode evitar que nos matemos uns aos outros?
Há muitos anos, a Madre declarou à revista italiana Gente: "As crianças são o melhor presente que Deus nos pode fazer, mas o homem, no seu egoísmo, nem sempre aprecia este dom. Com freqüência, as crianças são rejeitadas, abandonadas, maltratadas e até assassinadas. Desde a minha juventude, luto contra esses delitos".
As primeiras criaturas com que a Madre Teresa iniciou a sua nova missão, depois daquela noite em que, viajando de Calcutá a Darjeeling, o Senhor lhe abriu os olhos para a miséria absoluta e nasceu a sua vocação de servir Jesus nos mais pobres, foram precisamente cinco crianças abandonadas. Contou-o assim:
"Vivíamos num tugúrio, nos arredores de Calcutá, na região mais miserável da cidade. Eu buscava alimento entre os desperdícios. Não tínhamos nada, mas eu amava aquelas crianças e elas eram felizes porque se sabiam queridas. Não há pior tristeza no mundo que a falta de amor. Vi crianças que se deixavam morrer porque ninguém as amava. Sou mãe de milhares de crianças abandonadas. Tenho-as recolhido do lixo das ruas. Tenho-as recebido da polícia, dos hospitais onde foram rejeitadas pelas << mães >>. E vou levando-as para diante".
Algumas adolescentes foram violentadas com toda a selvajaria em Bangladesh. As autoridades queriam fazê-las abortar. A Madre Teresa interpôs-se. A uma doutora que insistia em que uma criança não-nascida não é um ser humano, disse-lhe:
- Se a senhora está casada e traz um ser no seu ventre, é um ser humano ou o que é?
- Bem - disse a médica -, isso seria diferente.
- Estas meninas - replicou-lhe a Madre Teresa - foram forçadas contra a sua vontade, mas isso que os senhores querem fazer nelas, isso sim, é que é uma violação muito pior e um assassinato. Eu me encarregarei dos bebês quando nascerem...
Contaram-me alguns dos seus colaboradores que a Madre tem um grande álbum com muitas fotos e que, quando as repassa, fica como que ensimesmada, cheia de ternura e de alegria. Os retardados mentais, os debilóides, os que ninguém aceita, nem acolhe, nem adota, os que ela conseguiu salvar da morte no ventre da mãe, "esses ficam comigo. A natureza foi cruel com eles, mas são filhos de Deus e têm tanta necessidade de carinho! São os meus prediletos".
A guerra contra os desfavorecidos
Em entrevista à Miguel Angel Velasco, disse:
"O mundo anda fora dos eixos. São muitas mais as crianças que morrem por causa do aborto que as que morrem intoleravelmente, aos milhões, por causa da fome e da sede. Hoje está em pleno andamento uma guerra declarada contra as crianças que devem nascer. Não deveria ser assim.
"Os anciãos deveriam preparar-se para ir para casa, para junto de Deus, nosso Pai; os jovens deveriam dar o seu trabalho, o seu tempo, as suas mãos, o seu coração, para amar e atender os que precisem deles; os que sofrem deveriam saber que os seus sofrimentos são um beijo de Deus; os noivos que se são casar deveriam aprender a rezar juntos, porque o mais importante é que as famílias vivam unidas; então haverá paz no mundo" [10].
texto dia da mulher
Indira Gandhi reconheceu certa vez perante a Assembléia da ONU: "Na presença da Madre Teresa, todos nos sentimos com razão um pouco humilhados e envergonhados de nós mesmos".
Uma das coisas que ela exigia às noviças de sua Congregação é que soubessem sorrir, e rejeitou muitas delas porque não sabiam faze-lo. Também a chamam "Madre Sorriso", por viveu o que recomendava.
Em seu cartão de visitas, impresso em papel amarelado, se lia:
The fruit of silence is prayer
The fruit of prayer is faith
The fruit of faith is Love
The fruit of Love is Service
The fruit of Service is Peace.
Isto é: "O fruto do silêncio é a oração; o fruto da oração é a fé; o fruto da fé é o Amor; o fruto do Amor é o Serviço; o fruto do Serviço é a Paz".
Ela disse certa vez: "Hoje em dia, quando quase todas as doenças têm o seu remédio, não se encontrou remédio algum para a indiferença pelo próximo. E, no entanto, existe. Não se melhorará a situação dos excluídos nem se transformará o mundo com revoluções, violência, guerras, nacionalismos desenfreados, terrorismo e ódio, mas unicamente por meio do amor e da caridade" [11].
E também: "- Nenhum de nós, nem os senhores nem eu, tem o direito de condenar qualquer ser humano. Por muito que os vejamos fazer coisas que nos parecem erradas, não sabemos por que as fazem. Talvez sejamos nós que os obrigamos a faze-las. A maior pobreza não é a falta de dinheiro, ou a falta de pão e de comida, mas sobretudo uma fome terrível de reconhecimento da dignidade que cada um tem; e aí cometemos muitos erros, porque deixamos as pessoas de lado e vamos às nossas coisas e somente às nossas coisas".
Enquanto o mundo inteiro vive em plena crise vocacional, o centro de formação de vocações das Missionárias da Caridade têm as vagas completamente preenchidas.
Fundou também um ramo contemplativo das Missionárias da Caridade, e um ramo masculino contemplativo. Certa vez um fiscal da receita da Índia mostrou-se disposto a todo tipo de isenções com relação às Missionárias da Caridade, mas não quanto às contemplativas, porque "não vejo o bem que s contemplativas
fazem à sociedade". A Madre respondeu-lhe: - Perdoe-me, mas o senhor não sabe o que está dizendo. Sem elas, nós não poderíamos fazer absolutamente nada.
São essenciais ao nossos trabalho: são elas que obtêm do Céu a ajuda de que precisamos". [12]
Prem Dam ("Presente de amor") é o nome hindu de diversos centros criados para mitigar a miséria de Calcutá, de Bombaim, de Nova Delhi. Nessas cidades grandes, os inválidos e os necessitados fazem tapetes, fabricam esteiras de vime e cantam enquanto trabalham. Retiram do entulho tudo o que pode servir para alguma coisa, e fazem com que sirva. É outra ideia da Madre Teresa: com o que muitos jogam fora, podem-se fazer maravilhas: é transformar o lixo em ouro, diz ela. "Não se pode, não se deve desperdiçar, quando existem seres humanos que suspiram até pelo amável som de uma voz humana..."
Texto para o dia da mulher
É a velha filosofia prática de vida, que a Madre Teresa pratica há muito tempo: durante uma noite de tormenta, num leprosário às margens do Ganges, compôs este texto:
A vida é uma oportunidade; aproveita-a.
A vida é beleza; admira-a.
A vida é felicidade; saboreia-a.
A vida é um sonho; torna-o realidade.
A vida é um desafio; enfrenta-o.
A vida é um jogo; joga-o.
A vida é preciosa; protege-a.
A vida é riqueza; conserva-a.
A vida é amor; desfruta-o.
A vida é mistério; desvenda-o.
A vida é promessa; cumpre-a.
A vida é tristeza; supera-a.
A vida é um hino; canta-o.
A vida é uma tragédia; domina-a.
A vida é uma aventura; encara-a.
A vida é um gozo; merece-o.
A vida é vida; defende-a.
Madre Teresa de Calcutá faleceu em 5 de setembro de 1997 vítima de uma parada cardíaca. Foi beatificada em 19 de outubro de 2003 pelo Papa João Paulo II.
Texto para o dia da mulher
Um pouco mais de ternura... e respeito
Sueli Caramello Uliano

Grande e internacional é a mulher do 08 de março; poética e carinhosamente ovacionada, a do segundo domingo de maio. Duro mesmo é brilharem as duas em uma só estrela, no miúdo dia-a-dia. Mulher e mãe parecem constituir realidades inconciliáveis. Pior: conflitantes. Grave conflito este que opõe realidades profundamente associadas na dimensão da pessoa-mulher. E uma vez que se perdeu a noção da pessoa integral, talvez se tenha criado um dos maiores obstáculos para obter, com o movimento feminista, autênticas conquistas.
Um dos motivos dessa dissociação e conflito deveu-se ao fato de o feminismo, tal como o conhecemos no fim do século XX, ter situado fora do lar as possibilidades de verdadeira realização da mulher. Mas, se não há dúvida de que querer espaço para estudar e trabalhar é reivindicação justa, nada justifica o patrulhamento
ideológico que visou a convencer a mulher de que dedicar-se a filhos seria abortar a sua vida profissional. Com reiterada insistência investiu-se contra os anseios de maternidade, como se no exercício da função materna não pudesse existir uma profissional, e de altíssimo gabarito! Assim como se os específicos valores de ternura, delicadeza e sensibilidade da mulher-mãe não devessem ser exercitados num trabalho profissional fora do lar. Provocou-se, com essas manipulações, um claro e feroz reducionismo, dirigido a limitar a mulher enquanto mulher. Afinal, se para afirmar-se, ela pretende apenas imitar o homem, o que na verdade está latente é uma revolta contra o modo de ser feminino, um verdadeiro complexo de inferioridade, uma inveja injustificável em face do sexo oposto... Ora, não precisamos de heroínas feministas para, simplesmente, assumir papéis masculinos.
Isso é caricatura de mulher.
Não é difícil, no entanto, compreender por que a maternidade passou a carecer de respaldo popular, nestes tempos de aversão ao esforço e sacrifício. Não há naturezas especiais. Quem julga que há mulheres que se levantam à noite para atender aos pequenos e durante o dia não têm sono se engana. Da mesma forma, nunca será fácil abrir mão de gostos pessoais para dedicar mais tempo aos filhos e ao marido. E todas sentem uma rejeição natural em levantar-se da mesa para atender ao chamado do caçula: "Mãe, vem me limpar!" O que existe é um esforço de superação porque se quer o bem dos filhos mais do que o próprio bem. O que é, aliás, pressuposto para exercer a autoridade sem despotismo no lar, e exercício de domínio interior para exercê-la, também, em circunstâncias profissionais variadas.
Por outro lado, se a executiva da grande empresa não consegue sucesso no lar, corre o risco de estar  revelando aqui, no miúdo dia-a-dia, a incompetência para a função que exerce lá. E mesmo que as aparências enganem, em vista da compensação financeira que cega, impossível evitar a frustração decorrente de sentir-se mancando, porque a pessoa é una, apesar das funções diferentes que exerce. Em outras palavras, quem está falhando não é a grande executiva na tarefa de ser esposa e mãe, mas a pessoa-mulher, no conjunto das suas atribuições.
Texto para o dia da mulher
Eis que se identifica aqui o velho vício: o ser feminino, na ânsia por afirmar-se, o faz assumindo os erros de comportamento masculino. Quantos grandes executivos não foram acusados pela sua mulher como omissos na educação dos filhos e indiferentes à ternura solicitada por ela?
Integridade, portanto, é o ponto de partida. Com um evidente agravante, no entanto: é no lar que a figura da mulher, como esposa e mãe, torna-se insubstituível. Como são, aliás, insubstituíveis, os filhos e o marido! Não é uma questão de favores, mas de carinho! É na família, quando se procura agir com retidão, que se vai descobrindo que a grande expectativa de felicidade do coração humano não se preenche com o que obtemos dos outros, mas, justamente, com o que nos esforçamos por dar-lhes. E na mulher, especialmente, pela sensibilidade que preside seu modo de ser, a felicidade está ancorada no dom sincero de si mesma. Opções que desrespeitem esse pressuposto instalam um conflito íntimo constante e acabam constituindo um obstáculo para a felicidade. Logicamente, todos devemos poder optar, mas... há opções equivocadas!
E as opções equivocadas tornam-se mais freqüentes quando se permite a manipulação, o tal patrulhamento a que nos referimos acima. Dividida nas suas aspirações mais profundas, a mulher viu-se insegura e temerosa diante da própria fertilidade, que a impediria de ascender profissionalmente. E não houve feminismo honrado que a defendesse dessa violência e influenciasse a opinião pública e pressionasse as empresas para que a mulher tivesse meios de conciliar a vida profissional e a vida familiar. Paradoxalmente - ou talvez nem haja paradoxo porque em ambos os casos a ênfase está no desrespeito à vida - manipularam-se ao extremo as ânsias de maternidade, e, como fazendo um favor para as que caíram na mediocridade de querer filhos, desenvolveram-se técnicas de fertilização com requintes macabros. Ninguém desconhece os casos em que se procede a uma múltipla concepção para garantir ao menos um filho e depois providencia-se a redução da gravidez. Redução da gravidez: um eufemismo a mais na lista dos que se referem ao aborto. Penso nos casais submetidos ao conflito de fazer a "escolha de Sofia". Lembram-se do filme de Alan J. Pakula? Sofia, uma imigrante polonesa vivida por Meryl Streep, é obrigada por um oficial nazista a escolher qual de seus dois filhos sobreviverá. Fica com o menino e vê a menina, que grita desesperadamente, ser levada para nunca mais voltar... Jamais Sofia se livrará dessa lembrança. Há também as possibilidades de produção independente, sem valores de família, sem aconchego de verdadeiro lar, acintosa brincadeira com a vida. Como não se percebe que os filhos estão sendo usados como mercadoria para construir a própria felicidade, depois de terem sido evitados ao longo de anos, de décadas? Os estragos psicológicos diagnosticados nesses frutos das clínicas de fertilização que agora chegam à adolescência falam por si.
Texto para o dia da mulher
Mal compreendida a essência da mulher... mal compreendida a essência materna. Se fosse diferente...! Se a nossa época pudesse voltar a se inclinar sobre as mulheres para aprender delas os verdadeiros valores da maternidade..., penso que não haveria tanta violência nos lares, nas ruas, no lazer, nos meios de comunicação! Haveria, com certeza, sentimento de entrega, de doação desinteressada... Haveria ternura! Até que ponto as dores da humanidade não são decorrentes da ausência das mães nos lares? Ou até que ponto os traumas da civilização pós-moderna não decorrem da manipulação da sensibilidade feminina, ultrajando-a na sua peculiar e exclusiva capacidade de acolher a vida?
Seria muito pedir um pouco mais de ternura... e respeito?
Texto para o dia da mulher
Mulheres
Pablo Neruda

Elas sorriem quando querem gritar.
Elas cantam quando querem chorar.
Elas choram quando estão felizes.
E riem quando estão nervosas.
Elas brigam por aquilo que acreditam.
Elas levantam-se para injustiça.
Elas não levam "não" como resposta quando
acreditam que existe melhor solução.
Elas andam sem novos sapatos para
suas crianças poder tê-los.
Elas vão ao medico com uma amiga assustada.
Elas amam incondicionalmente.
Elas choram quando suas crianças adoecem
e se alegram quando suas crianças ganham prêmios.
Elas ficam contentes quando ouvem sobre
um aniversario ou um novo casamento.
dia da mulher
Origem do Dia Internacional da Mulher
O dia 8 de Março é, desde 1975, comemorado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher
Neste dia, do ano de 1857, as operárias têxteis de uma fábrica de Nova Iorque entraram em greve ocupando a fábrica, para reivindicarem a redução de um horário de mais de 16 horas por dia para 10 horas. Estas operárias, que recebiam menos de um terço do salário dos homens, foram fechadas na fábrica onde, entretanto, se declarara um incêndio, e cerca de 130 mulheres morreram queimadas.
Em 1903, profissionais liberais norte-americanas criaram a Women's Trade Union League. Esta associação tinha como principal objetivo ajudar todas as trabalhadoras a exigirem melhores condições de trabalho.
Em 1908, mais de 14 mil mulheres marcharam nas ruas de Nova Iorque: reivindicaram o mesmo que as operárias no ano de 1857, bem como o direito de voto. Caminhavam com o slogan "Pão e Rosas", em que o pão simbolizava a estabilidade econômica e as rosas uma melhor qualidade de vida.
Em 1910, numa conferência internacional de mulheres realizada na Dinamarca, foi decidido, em homenagem àquelas mulheres, comemorar o 8 de Março como "Dia Internacional da Mulher".
dia da mulher
Alma de Mulher
de Maria Cristina Moreira Safadi

No objetivo de buscar o papel da mulher no mundo, o caminho escolhido foi minha vida, vista e analisada pela alma e coração femininos.
Quando criança, já sentia como são diferentes os caminhos das pessoas. Pobres e ricos, crentes e ateus, feios e bonitos, saudáveis e imperfeitos. Um mundo cheio de cores, alegres e tristes. E eu desejava muito entendê-lo. Olhava-me e ignorava o sentido de minha existência. Mas sentia-me bem, assim como era. Meus cabelos cacheados que me cobriam os ombros me enchiam de orgulho. Pela manhã, os escovava, tratando-os como a um tesouro. Minha alma feminina já se manifestava em pequenas coisas. Emocionava-me com facilidade e não raro derramava lágrimas por algo que via ou presenciava. Alma de mulher.
Nos longos recreios na escola eram constantes minhas visitas a gruta de Nossa Senhora e ali... Sentia-me feliz. Aquela mulher, de rara beleza me fascinava e me orientava. Tinha um amor imenso por aquela mulher. Jovem e corajosa que gerou, amamentou, ensinou os primeiros passos a Jesus. Sim, eu a amava muito e gostava de partilhar com ela o imenso privilégio de ser mulher. Um dia, pensava eu, ainda faria algo forte, algo de que pudesse me orgulhar. Algo para deixar sementes e brotar minha presença neste mundo. Alma de mulher.
Minha mãe era rainha naquela bonita casa. E eu... Eu a achava linda... Mãe de oito filhos,sabia se conduzir com força e determinação, dispensando a cada um a real necessidade que se fazia presente. Ocupava em meu coração infantil um lugar que ninguém mais haveria de conquistar. Segurava suas mãos, sabendo que me levariam por um justo caminho. Seguia seus passos, certos e firmes e admirava-a mais do que nunca, dividindo suas horas nos afazeres domésticos e em seus cuidados com o lar. A delicadeza feminina. Alma de mulher.
Mas, seria isto o que se espera de uma mulher? Fui crescendo, olhos atentos, mãos explorando, visitas contínuas a Nossa Senhora. Não... jamais poderia imaginar a luz que recebi de Minha Mãe. Procurava incessantemente meu lugar. Estudava, lia tudo que me passava pelas mãos. Mudei de rumo muitas e muitas vezes, mas sempre a alma feminina, ansiosa, misteriosa e terna, dirigia meus mais importantes momentos. alma de mulher
Finalmente terminei meus estudos em profissão não tão feminina. Ao menos pensava assim, tendo como universo o mundo que se descortinava a minha frente.
Mas a imagem daquela Nossa Senhora jamais me abandonou. Trazia-me uma força traduzida na minha vontade de marcar o meu caminho com flores, muitas flores. Flores com seu aroma, sua mensagem, sua cor, seu sentido, purificando as mãos daqueles que as tocam. Um mundo visto por meu coração. Alma de mulher.
Nesta fase de minha vida já começava a compreender a importância de ser mulher. Colocar nos corações toda vida emocional que vibra no sangue de cada um. Olhava-me e não identificava mais aquela menina franzina e temerosa dos velhos tempos. E os sonhos onde estariam eles? Escondido em algum canto de meu coração. Mas não estavam perdidos. Acalento-os até hoje e muitos... Estes os realizei. Alma de mulher.
Tornei-me mãe e meus filhos muito me ensinaram. Aprendi a esquecer, perdoar, não permanecer em queda, pois muito ainda haveria de lutar. Conheci a beleza de ter em meus ombros a tarefa de carregar seres que muito amo. Trabalho gerando flores, lágrimas que caem numa canção, sorrisos que brotam dos lábios de meus filhos. Tudo em perfeita harmonia. Impossível ser feliz sem vê-los igualmente felizes. Alma de mulher
Abri então meu coração, entendendo que ser feliz é muito mais. É compreender a verdadeira missão a que nos foi destinada. Trazer ao mundo o toque delicado das mãos femininas, no cuidado, no amor, no trabalho. É dizer não a violência que insiste em se alastrar, é pagar com sorriso a lágrima que insiste em cair, é gostar do amargo porque nele também podemos perceber o doce. Ser mulher é saber calar e falar com o coração. É poder se comunicar sem nem mesmo usar a palavra.
É ter a tarefa de decidir com força e determinação, sentindo em nossas mãos o peso da decisão. Alma de mulher.
dia da mulher
Finalmente em minha jornada encontrei a Deus. E pude amá-lo de forma intensa e maravilhosa. Pude senti-lo nos momentos mais amargos e pude partilhar com Ele minhas alegrias. Pude enfim encontrar o amor infinito de Deus e pude amá-lo com alma de mulher.
Extraído do site da escritora Vania Moreira Diniz - www.vaniadiniz.pro.br

M de Mulher!

Seus Malabarismos Mágicos Manipulam Marionetes.
Meninas, Mães, Madres, Marquesas e Ministras.
Madalenas ou Marias.

Marinas ou Madonas.
Elas são Manhãs e Madrugadas.
Mártires e Massacradas.
Mas sempre Maravilhosas, essas Moças Melindrosas.
Mergulham em Mares e Madrepérolas, em Margaridas e Miosótis.
E são Marinheiras e Magníficas.
Mimam Mascotes.
Multiplicam Memórias e Milhares de Momentos.
Marcam suas Mudanças.
Momentâneas ou Milenares, Mudas ou Murmurantes,
Multicoloridas ou Monocromáticas, Megalomaníacas ou Modestas,
Musculosas, Maliciosas, Maquiadoras, Maquinistas,
Manicures, Maiores, Menores, Madrastas,
Madrinhas, Manhosas, Maduras, Molecas,
Melodiosas, Modernas, Magrinhas.

São Músicas, Misturas, Mármore e Minério.
Merecem Mundos e não Migalhas.
Merecem Medalhas.
São Monumentos em Movimento, esses Milhões de Mulheres Maiúsculas.
dia da mulher
Textos em Word para trabalhar em sala de aula:
Atividades para imprimir
Textos para o Dia Internacional da Mulher. Reviewed by Elaine Cristine on 19:42 Rating: 5

Nenhum comentário:

All Rights Reserved by Aprender e Brincar © 2014 - 2015
Powered by Blogger

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.