A audição na criança: um guia compreensível para os pais de crianças ouvintes e crianças com dificuldades auditivas.





Como saber se meu filho tem problema de audição


A Audição na Criança

Um guia compreensivo para os pais de crianças ouvintes e crianças com Dificuldades Auditivas


Indice
A audição do seu filho ............................................... 3
Compreender a perda de audição do seu filho .. 5
O órgão da audição .............................................................. 6
O processo normal de desenvolvimento da audição..............10
Perda de audição .................................................................13
Teste auditivo...................................................................... 23
A audicao na crianca

Audiograma........................................................................ 28
Diagnóstico......................................................................... 34
Ser pai de uma criança com perda de audição . 39
Os primeiros passos............................................................. 40
Comunicação...................................................................... 42
Rede de apoio..................................................................... 44
A escola.............................................................................. 49
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa...... 55
Aparelhos auditivos............................................................. 58
Como funciona um aparelho auditivo? ................................ 62
Manutenção do aparelho auditivo ....................................... 64
Acessórios........................................................................... 70
A atitude da widex relativamente à regulação dos aparelhos auditivos para crianças ...................................76



Perda auditiva em crianças

A audição na criança
Perda auditiva em crianças
A audição de seu filho
A audição do seu filho
A audição do seu filho
Compreender a perda de audição do seu filho
Compreender a perda de audicao do seu filho
O órgão da audição
O orgao da audicao
O ouvido externo
O ouvido externo
O ouvido médio
O ouvido medio
O ouvido interno
O ouvido interno
O processo normal de desenvolvimento da audição
O processo normal de desenvolvimento da audição
Marcos do desenvolvimento auditivo
Marcos do desenvolvimento auditivo
Marcos do desenvolvimento auditivo
Perda de audição
Perda de audição
Sinais da perda de audição
Sinais da perda de audição
Sinais da perda de audição
Diferentes tipos de perda auditiva
Diferentes tipos de perda auditiva
Perda de audição condutiva
Perda de audição condutiva
Causas comuns da perda de audição condutiva nas crianças
Causas comuns da perda de audição condutiva nas crianças

Surdez neurosensorial
Causas comuns da perda de audição neuro sensorial nas crianças
Causas comuns da perda de audição neurosensorial nas crianças
Teste auditivo
Teste auditivo
Diferentes tipos de testes auditivos
Diferentes tipos de testes auditivos
tipos de testes auditivos
Diferentes tipos de testes auditivos
Diferentes tipos de testes auditivos
Audiograma
Audiograma
Compreender o audiograma
Audiograma
Frequência
Frequência
Intensidade do som
Intensidade do som
Seis graus de perda de audição
Grau da perda auditiva
Grau da perda auditiva
Diagnóstico audiológico
Diagnóstico audiológico
Audiometria
Audiometria
Audiometria
Perda de audição infantil
Perda de audição infantil
Ser pai de uma criança com perda de audição
Ser pai de uma criança com perda de audição
Os primeiros passos perda auditiva
Os primeiros passos perda auditiva
Os primeiros passos perda auditiva
Comunicação perda auditiva
Comunicação perda auditiva
Comunicação perda auditiva
Criando uma Rede de Apoio
Criando uma Rede de Apoio
Criando uma Rede de Apoio
Rede de Apoio
Ensino da fala e da língua
Ensino da fala e da língua
Apoio escolar
Apoio escolar
A escola
A escola
A escola
Lista de verificação relativa à escola
Lista de verificação relativa à escola
Lista de verificação relativa à escola
Lista de verificação relativa à escola
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa
Aparelhos auditivos
Aparelhos auditivos
Implante coclear
Implante coclear
Aparelhos auditivos
Aparelhos auditivos
A técnica usada nos Aparelhos auditivos
A técnica usada nos Aparelhos auditivos
Aparelhos auditivos digitais | Regulação biauricular
Aparelhos auditivos digitais
Cores de Aparelhos auditivos
Cores de Aparelhos auditivos
Como funciona um aparelho auditivo?
Como funciona um aparelho auditivo
Como funciona um aparelho auditivo
Manutenção do aparelho auditivo
Manutenção do aparelho auditivo
Cuidados com o Aparelho Auditivo 
Aparelho auditivo
Cuidados com Aparelho auditivo
Aparelho Auditivo Cuidados
Aparelho Auditivo Cuidados
Peças e acessórios para aparelhos auditivos
Peças e acessórios para aparelhos auditivos
Sistema de emissor para receptor auricular
Sistema de emissor para receptor auricular
Sistema de emissor para receptor auricular
Telefone amplificador | Microfone de mão
Telefone amplificador
Sistema FM (emissor/receptor)
Sistema de emissor para receptor auricular
A atitude da widex relativamente à regulação dos aparelhos auditivos para crianças 
A atitude da widex relativamente à regulação dos aparelhos auditivos para crianças
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Regulação de aparelhos auditivos
Widex parceria
Página da Widex na Internet
Widex site
Perda da Audição Infantil
Perda da Audição Infantil
Perda da Audição Infantil
CRIANÇAS COM DIFICULDADES AUDITIVAS
CRIANÇAS COM DIFICULDADES AUDITIVAS

A Audição na Criança

Um guia compreensivo para os pais de crianças ouvintes e crianças com Dificuldades Auditivas

A audição do seu filho

O ser humano possui cinco sentidos que lhe permitem conhecer o mundo. Todas as crianças nascem com um espírito aberto,
prontas a receber informações através dos sentidos. Quanto mais informação a criança recebe, melhor poderá compreender e participar no mundo que a rodeia. Os sentidos são as ferramentas que nos permitem aprender e comunicar.

O sentido da audição é crucial para o desenvolvimento da fala e da linguagem, pelo que é importante que uma eventual perda de audição seja constatada o mais precocemente possível. Atrasos significativos ao nível do desenvolvimento da fala e da linguagem poderão ser evitados se a perda de audição for tratada precocemente.

Ter de reconhecer que o filho sofre de perda de audição poderá ser avassalador para os pais. Serão confrontados com um grande número de informações que vão ter de compreender, de perguntas que vão querer fazer e de decisões que vão ter de tomar. Para além destes aspectos práticos existem também aspectos emocionais.

A família da criança constitui uma parte essencial da rede de apoio, a qual também inclui os técnicos que regulam e afinam os aparelhos auditivos, os professores bem como outro pessoal técnico. Esperamos que este livro possa contribuir para uma base de informação ampla e sólida relativa a crianças com perda de audição.

Compreender a perda de audição do seu filho

A partir do momento em que existe uma suspeita de perda de audição, ou do momento em que foi estabelecido o diagnóstico, a família entra num mundo completamente novo de informação e terminologia. Uma compreensão clara e detalhada da perda de audição, começando pela função dos nossos órgãos de audição até aos diferentes tipos de exames de diagnóstico, ajudará os pais a construir uma base para a tomada de futuras decisões e facilitará a adaptação à nova situação. Esta compreensão é relevante para o amor e a alegria que um filho especial nos pode fazer sentir.

Estribo
Tímpano
Bigorna Órgão do equilíbrio
Trompa de
Eustáquio
Cóclea
Martelo
Ouvido externo
Ouvido médio
Ouvido interno
Janela oval
Nervo auditivo
Canal auditivo

O órgão da audição

Para uma compreensão cabal do que representa a perda de audição, é necessário compreender o funcionamento do nosso órgão da audição.

Todo o som tem origem no movimento. Quando o vento sopra, por exemplo, faz mover as folhas das árvores. As folhas empurram as moléculas do ar, fazendo-as vibrar. Estas vibrações, chamadas ondas sonoras, podem ser captadas pelo ouvido. As vibrações lentas (de baixa frequência) são ouvidas como sons graves, enquanto que as vibrações rápidas (de alta frequência) são ouvidas como sons agudos.

O órgão de audição, enquanto um todo, é responsável pelo nosso sentido de audição. Capta as ondas sonoras e converte-as em códigos neurais susceptíveis de serem interpretados pelo cérebro. O órgão da audição é constituído por três componentes principais. O ouvido externo, o ouvido médio e o ouvido interno. 

O ouvido externo

O ouvido externo é formado pela parte externa cartilaginosa do ouvido e pelo canal auditivo. O canal
auditivo termina no tímpano, o qual separa o ouvido externo do ouvido médio. O ouvido externo capta as ondas sonoras e conduz o som para o tímpano. As ondas sonoras fazem vibrar o tímpano, cujas vibrações, por sua vez, são transmitidas ao ouvido médio.

O ouvido médio

O ouvido médio é uma câmara cheia de ar. A trompa de Eustáquio, que liga o ouvido médio à parte posterior do nariz, permite manter uma pressão atmosférica no interior do ouvido médio idêntica à que se regista no exterior. No espaço formado pelo ouvido médio existem três pequenos ossos: malleus, incus e stapes, mais conhecidos como o martelo, a bigorna e o estribo. Esta cadeia de ossos forma, no conjunto, um sistema de alavanca que transfere os movimentos do tímpano para o líquido no ouvido interno. Dois músculos diminutos, o músculo estapediano e o tensor do tímpano, estão ligados aos ossículos e são activados por reflexo sempre que um som forte chega ao ouvido. Este reflexo muscular reduz as pressões criadas por sons muito fortes antes de chegarem ao ouvido interno.

O ouvido interno

O ouvido interno ou a cóclea, tem a forma de um caracol e contém um líquido. O órgão do equilíbrio está ligado ao ouvido interno e é constituído por três canais semicirculares cheios de líquido. A “janela oval” que liga o ouvido médio ao ouvido interno inclui a base do estribo que funciona como um êmbolo, ao fazer movimentar o líquido no ouvido interno.

O movimento do líquido activa as células ciliadas do ouvido interno (existem aproximadamente 20 000 destas células sensoriais). Ao serem activadas, as células ciliadas enviam impulsos através das fibras do nervo auditivo para o cérebro, o qual interpreta esses impulsos como som.

Através destes canais sinuosos fantásticos, o ouvido consegue captar ondas sonoras, convertê-las em vibrações ósseas, depois em ondulações do líquido do ouvido e, finalmente, em impulsos nervosos, susceptíveis de serem interpretados pelo cérebro. A mais pequena falha neste complexo sistema pode levar a uma perda de audição.


O processo normal de desenvolvimento da audição

Ao falarmos de seres humanos é muito difícil definir o que se entende por desenvolvimento “normal”. Cada ser humano desenvolve-se à sua maneira e ao seu próprio ritmo.

Elaboramos uma relação do processo típico de desenvolvimento de uma criança com audição normal. É mais importante verificar se a criança se desenvolve de acordo com o previsto do que verificar se ela atingiu um determinado marco a uma determinada idade.


Marcos do desenvolvimento auditivo

Estimulação pré-natal

Quando atinge a 20ª semana de gestação, o feto humano possui uma espécie de capacidade auditiva. Esta capacidade auditiva irá desenvolver-se e amadurecer ao longo do resto da gravidez. O feto consegue ouvir sons produzidos no exterior do corpo da mãe, embora oiça muito melhor os sons de baixa frequência do que os sons de alta frequência.

0-4 meses

A criança assusta-se com sons súbitos ou fortes. Começa a seguir os sons com o olhar ou volta a cabeça na direcção do som.

3-6 meses

A criança começa a interessar-se pelos diferentes sons e tenta, ela mesma, produzir sons. Aparentemente reconhece as vozes que lhe são familiares.

6-12 meses

Palrar. A criança começa a entender algumas palavras, como ”mamã” e ”olá”. Começa a entender mensagens simples.

12-18 meses

A criança começa a formar palavras em vez de palrar. Nesta idade consegue dizer cerca de 20 palavras e compreende cerca de 50.

2 anos

Em regra a criança consegue proferir frases simples e possui um vocabulário de, aproximadamente, 200 a 300 palavras. Gosta que leiam em voz alta para ela e consegue identificar e apontar para muitos objectos em livros de imagens.

3-4 anos:

A criança utiliza palavras e frases para exprimir necessidades, perguntas e sentimentos. Durante este período o seu vocabulário, pronúncia e compreensão melhoram de forma notável. 

Perda de audição

Basta que tenham ocorrido lesões numa pequena parte do percurso que conduz o som através do sistema auditivo para que se produza uma redução da audição.

Apenas determinados tipos de perda de audição podem ser corrigidos através de tratamento médico ou cirúrgico, enquanto que a maioria dos outros tipos de perda de audição podem, com vantagem, ser supridos com um aparelho auditivo.

Alguns factores poderão influenciar o impacto que a perda de audição poderá ter no desenvolvimento da criança. Uma criança que tenha nascido com deficiência auditiva corre maior risco de sofrer um atraso ao nível do desenvolvimento da fala e da linguagem do que uma criança que perdeu a audição depois de ter aprendido a falar. O grau de perda de audição é igualmente relevante. Uma perda de audição mais grave tem, normalmente, um impacto maior no desenvolvimento da fala e da linguagem.

É muito importante que uma eventual perda de audição seja diagnosticada e tratada tão cedo quanto possível. Estudos demonstraram que as crianças com perda de audição conseguem atingir níveis de desenvolvimento da fala e da linguagem idênticos aos das crianças com audição normal, desde que disponham de aparelho auditivo antes dos 6 meses de idade.

Sinais da perda de audição

Uma criança com perda de audição aprende frequentemente a compensar a perda de audição, tornando-se mais sensível a outros sinais informativos produzidos no seu meio envolvente como, por exemplo, alterações da luz quando uma porta se abre ou fecha, vibrações no pavimento ou deslocações do ar. As reacções da criança poderão, assim, parecer perfeitamente normais, o que poderá dificultar a detecção de uma perda de audição.

A melhor forma de saber se uma criança recém-nascida sofre de perda de audição é submetê-la, quanto antes, a um exame de rastreio. Quando o exame de rastreio não faz parte dos exames de rotina são, normalmente, os pais que suspeitam de perda de audição.

Confie na sua intuição, se suspeitar que o seu filho tem problemas de audição. Em caso de dúvida dirija-se a um otorrinolaringologista ou ao médico de família para que o seu filho seja submetido a um teste de audição. Uma criança nunca é pequena demais para ser sujeita a um teste de audição e estudos comprovaram que quanto mais cedo uma criança com perda de audição dispuser de um aparelho auditivo, melhores hipóteses terá de desenvolver as suas aptidões linguísticas. 

Um teste auditivo é uma forma simples e indolor de verificar se a criança consegue tirar o máximo proveito do mundo que a rodeia.

Elaboramos uma lista dos diferentes aspectos relacionados com o comportamento das crianças que podem indiciar a existência de problemas auditivos. As crianças desenvolvem-se a ritmos diferentes. Por isso, apesar de nenhum dos aspectos a seguir mencionados constituir um sinal seguro de que existe um problema de audição poderá, todavia, constituir uma indicação de que a criança perde informação verbal importante.


Sinais de perda da audição

  • A criança não se assusta com sons fortes.
  • A criança não procura localizar a fonte de som, por exemplo voltando a cabeça na direcção da pessoa que está a falar. Uma criança com cerca de 5-6 meses de idade com audição normal, tentará, normalmente, localizar a fonte do som.
  • A criança precisa, de um modo geral, de um volume de som mais alto para poder funcionar. Costuma sentar-se muito próximo da televisão ou aumenta o volume do som ou diz “o quê” com muita frequência quando falam com ela. A criança parece não reagir quando a chamam.
  • A criança mexe, frequentemente, nos ouvidos ou puxa uma das orelhas ou ambas as orelhas, o que poderá ser um indício de pressão ou de infecção no ouvido.
  • A criança para de palrar ou começa a gritar, num timbre alto, por volta dos 6-8 meses de idade, por exemplo.
  • A criança não reage normalmente aos sons e por volta dos 6 meses de idade não reage quando a chamam pelo nome.
  • O palrar da criança não se modifica para sons de voz reconhecíveis e posteriormente para palavras durante o segundo ano de vida.
  • Por volta dos 12 meses de idade a criança não entende instruções simples, tais como “vai buscar a bola e traz ao papá” se não estiver a olhar directamente para o pai e para os movimentos do seu corpo.
  • A criança retrai-se do contacto social e reage, eventualmente, com agressividade. Poderão ser manifestações da frustração que sente por causa dos constantes mal-entendidos que são uma consequência da perda de audição.
  • É frequente a criança entender erradamente as indicações que lhe são dadas verbalmente


Diferentes tipos de perda auditiva

Muitas pessoas relacionam a perda auditiva com a idade. Mas apesar de a maior parte das perdas auditivas estarem, de facto, relacionadas com a idade, poderão também dever-se a muitos outros factores. Poderão ter origem em factores de ordem hereditária, patológica (devido a doença) ou idiopática (de origem desconhecida). A perda de audição divide-se, normalmente, em duas categorias: Perda de audição condutiva e perda de audição neurosensorial, dependendo da parte do ouvido onde se verifica a perda de audição. Uma criança poderá também ter uma perda de audição mista que resulta da combinação das duas categorias. Com vista a poder aplicar o tratamento certo, é necessário saber qual o tipo de perda de audição de que se trata.

Perda de audição condutiva

A perda de audição condutiva ocorre quando os sons são abafados no percurso entre o ouvido externo e o ouvido interno. Esta situação poderá dever-se a obstrução ou a lesões nas estruturas anatómicas do ouvido externo, do canal auditivo ou do ouvido médio.

A transmissão do som poderá estar a ser impedida devido a um ou vários factores como, por exemplo, uma pressão insuficiente ou excessiva no ouvido médio que impede o tímpano de vibrar livremente ou quando as articulações, devido a calcificação ou deslocação, impedem os ossículos de se movimentar livremente.

A maioria das formas de perda de audição condutiva pode ser tratada com fármacos ou através de intervenção cirúrgica. Mas visto que o tratamento médico nem sempre consegue remediar totalmente a perda de audição condutiva, para as pessoas com este tipo de perda de audição um aparelho auditivo poderá, frequentemente, revelar-se vantajoso.

Causas comuns da perda de audição condutiva nas crianças

Cerumen ou outras substâncias

A acumulação de substâncias, tais como cerume no canal auditivo, poderá causar uma perda de audição condutiva. Estas substâncias deverão ser eliminadas por um otorrinolaringologista, depois de se constatar que concorrem para a perda de audição. Quando estas substâncias são eliminadas sem complicações, a audição fica, normalmente, totalmente restabelecida.

Otite do ouvido médio

As infecções nos ouvidos são uma doença comum, especialmente nas crianças mais pequenas. Uma infecção aguda é extremamente dolorosa e deve ser tratada imediatamente, caso contrário, se não for tratada atempadamente, poderá levar a uma perfuração do tímpano. Um tímpano saudável sara, tipicamente, por si, formando um tecido cicatricial que fecha o local da perfuração. Entretanto, a acumulação de tecido cicatricial, em consequência de muitas otites do ouvido médio, poderá igualmente causar uma perda de audição condutiva, a qual já é mais difícil de corrigir. As infecções crónicas, que também são uma forma de otite, poderão, eventualmente, não ser tão dolorosas, mas podem também causar uma perda de audição condutiva significativa. Infecções descuradas ao longo de um certo tempo poderão levar a complicações graves, sob a forma de surdez neurosensorial.

Surdez neurosensorial

A perda de audição neurosensorial deve-se a lesões nas células ciliadas do ouvido interno (da cóclea) e/ou das fibras do nervo auditivo que transportam os impulsos desde o ouvido interno até ao cérebro. Este tipo de perda de audição raramente poderá ser suprido através de medicamentos ou de intervenção cirúrgica. Entretanto, a perda de audição neurosensorial pode, frequentemente, ser suprida com um aparelho auditivo.

Causas comuns da perda de audição neurosensorial nas crianças

Perda de audição congénita

Este tipo de perda de audição significa que a criança nasceu com perda de audição. A perda de audição congénita poderá dever-se a razões hereditárias ou desconhecidas, como uma síndrome hereditária: a síndrome de Down, por exemplo. A perda de audição congénita poderá ainda ser causada por factores relacionados com a ingestão de bebidas alcoólicas, estupefacientes ou medicamentos pela mãe durante a gravidez.

Trauma acústico

Uma pessoa exposta continuadamente a sons muito fortes ou a sons de impulso durante pouco tempo (como o ruído causado por fogo de artifício ou por uma pistola de fulminantes, por exemplo), poderá vir a sofrer de perda de audição neurosensorial.

Infecções

Infecções graves, tal como o sarampo, a parotidite, a meningite ou a tosse convulsa, poderão causar diferentes graus de perda de audição neurosensorial.

Teste auditivo

Se desconfia que o seu filho sofre de perda de audição, ou se existe algum problema físico ou médico ao nível dos ouvidos do seu filho que lhe causam preocupação, será boa ideia submeter a criança a um teste auditivo.

As crianças de qualquer idade, incluindo os recémnascidos, podem fazer um teste auditivo. Existem
diferentes métodos para a realização dos testes, consoante a idade e o nível de desenvolvimento da criança. Os testes auditivos não causam qualquer desconforto físico à criança.

Na Dinamarca, os testes auditivos são efectuados como um exame de rotina, no âmbito dos cuidados de saúde. Estes testes podem contribuir para chamar a atenção dos pais para um possível problema de audição do filho.

Em caso de suspeita de perda auditiva, a criança será referenciada para os serviços de audiologia do hospital distrital, onde existem profissionais que possuem a perícia necessária para efectuar os testes auditivos nas crianças.

O teste auditivo comum, no qual a pessoa submetida ao teste deve indicar se consegue ouvir um determinado som não é, normalmente, indicado para crianças pequenas, na medida em que o método exige que a criança forneça respostas fiáveis.

Diferentes tipos de testes auditivos

Os testes auditivos mais utilizados em crianças pequenas

Historial do paciente

Será recolhido o máximo de informações possível com vista a determinar a causa da perda de audição, eventuais consequências e complicações, bem como as estratégias de tratamento apropriadas. Serão feitas perguntas sobre a família, o ambiente, doenças e a gravidez. Lembre-se de que para além de serem rigorosamente confidenciais, todas as informações poderão também ser uma ajuda importante para o tratamento subsequente.

Otoscopia

Um otoscópio é um instrumento que emite uma luz, concebido de forma a permitir a observação nítida do canal auditivo e do tímpano. O otoscópio poderá ajudar a revelar eventuais anomalias físicas que poderão estar na origem da perda de audição.

Emissões otoacústicas

Este teste, que poderá comprovar uma eventual perda auditiva sem que o seu filho participe  activamente no teste, é muito rápido e é frequentemente realizado na maternidade, pouco tempo depois de a criança nascer. Através deste teste é medida a actividade produzida pelas pequenas células ciliadas no ouvido interno ao serem estimuladas por som. O teste é efectuado com a criança em repouso ou a dormir.

Audiometria do tronco cerebral (registo OEA) e ASSR (Auditory Steady-State Response)

Nestes testes são medidas as ondas cerebrais produzidas pelo estímulo do som. Também estes testes são efectuados sem a participação activa da criança. É um pouco mais demorado do que o teste de emissões otoacústicas, no entanto, os resultados podem, frequentemente, revelar-se úteis caso a criança tenha de utilizar um aparelho auditivo. Dado ser um teste mais demorado, poderá ser combinado para uma hora à qual a criança habitualmente dorme a sesta.

Medição da impedância

Neste teste são registados os movimentos do tímpano, produzidos pela alteração da pressão no canal auditivo. A flexibilidade do tímpano e a pressão existente no ouvido médio poderão ser objecto de medição, com vista a avaliar se o ouvido médio está intacto. O teste é muito útil para determinar o tipo de perda de audição e é este teste que é utilizado no diagnóstico de otites do ouvido médio. As medições da impedância permitem registar o reflexo acústico que ocorre quando se é exposto a determinados sons fortes. Este reflexo provoca a contracção do músculo tensor do tímpano, constituindo assim uma protecção natural contra ruídos muito fortes. Se o reflexo não for desencadeado ou apenas for desencadeado em resposta a um ruído extremamente forte, poderá indiciar que determinadas estruturas da audição estão afectadas. O teste de impedância é muito rápido e não exige a participação activa da criança.

 Audiometria (o teste auditivo mais comum)

 A criança deverá estar acordada durante a realização deste teste, visto ser necessária a sua participação e concentração. Consequentemente, será necessário assegurar-se de que a criança está devidamente repousada e disposta a colaborar e a brincar com um ou dois adultos simpáticos durante o teste.

Audiometria de tons puros

O objectivo deste tipo de audiometria é determinar a menor intensidade de som à qual a criança consegue ouvir um conjunto de sons breves. Estas medições serão úteis para efeitos de regulação do aparelho.

Durante a audiometria serão enviados sons através de um altifalante, de auscultadores normais ou de pequenos auscultadores que se ajustam ao canal auditivo. Em seguida a criança deverá indicar quando ouve o som. Quando o teste é efectuado em crianças muito pequenas, faz-se a criança acreditar que o som é produzido por um animal de brincar colocado próximo da criança. Depois de convencer a criança de que o som provém do brinquedo (o que não é verdade, porque o som é produzido por um aparelho operado pelo assistente de audiologia), o assistente fará o aparelho produzir um som e espera que a criança olhe para o boneco.

Compreender a perda de audição do seu filho 

No caso de uma criança maior, é pedido a esta que reaja a um som colocando uma peça em falta num jogo (por exemplo a peça de um puzzle). É pedido à criança que coloque uma peça no jogo quando ouvir um som e que coloque outra peça cada vez que ouvir um som. A partir de uma certa idade a criança será capaz de responder como um adulto, premindo um botão ou respondendo “sim” cada vez que ouve um som.

Audiometria vocal

As crianças mais crescidas são testadas através da audiometria vocal. Corresponde à audiometria de tons puros, com a excepção de que os sons representam a fala. O objectivo da audiometria vocal é determinar o limiar mais baixo ao qual a criança consegue captar e compreender a fala.
Espera-se, assim, que uma criança pequena volte o olhar na direcção do boneco, tal como descrito no parágrafo acima, enquanto que uma criança maior deverá repetir palavras ou apontar para uma imagem (num livro) que ilustra a palavra em causa. A criança irá também ser colocada perante conversação, com vista a perceber se entendeu correctamente aquilo que foi dito. E, mais uma vez, é suposto a criança responder, repetindo a palavra que ouviu ou apontando para uma imagem que ilustra a mesma palavra. 
 

Audiograma

Um audiograma é uma representação gráfica dos resultados obtidos através de um teste auditivo ou da
audiometria.
Se a criança tiver mais de 6 meses de idade, os pais deverão pedir uma cópia do audiograma. Se a criança tiver menos de 6 meses de idade, ou se não for possível elaborar um audiograma porque a criança não colaborou durante o teste, o otorrinolaringologista ou o audiologista poderá basear o diagnóstico noutros resultados que não o audiograma. Nestes casos será elaborado um audiograma posteriormente, quando a criança for mais velha ou quando for capaz de colaborar melhor.
Não se esqueça de pedir sempre ao otorrinolaringologista para lhe facultar uma cópia do audiograma. 

Os pais devem ter um exemplar de modo a poderem, mais tarde, analisar os resultados ou compará-los com um audiograma anterior ou posterior. 

Compreender a perda de audição do seu filho
Compreender o audiograma
Dois parâmetros são alterados durante o teste auditivo: a
frequência e a intensidade, com vista a determinar quais
os sons mais fracos que a criança consegue ouvir. Intensidade
Frequência
0
20
40
60
80
100
120
250 500 1K 2K 3K 4K 8K
Hz
Audição normal
Frequência
O audiograma é um sistema de coordenadas com dois
eixos, em que o eixo horizontal corresponde ao “eixo da
frequência”. A frequência, que interpretamos como o
facto de o som ser mais grave ou mais agudo, pode ser
descrita como as diferentes notas de uma escala de
música. 
30
A frequência é medida em Hertz (na forma abreviada:
Hz). O ser humano consegue ouvir um número elevado
de frequências. Na realidade, as crianças com audição
normal conseguem ouvir desde um som de muito baixa
frequência, de 20 Hz (como uma sirene de nevoeiro, por
exemplo), até um som de muito alta frequência de
20 000 Hz (como um apito, por exemplo).
O audiograma mostra o resultado dos testes realizados
utilizando 6 a 10 frequências entre 250 e 8 000 Hz, o que
corresponde às frequências que é necessário conseguir
ouvir para desenvolver a fala e a linguagem. As baixas
frequências figuram no lado esquerdo do gráfico,
enquanto que as altas frequências figuram no lado direito
do gráfico.
Compreender a perda de audição do seu filho 31
Intensidade do som
O eixo vertical corresponde ao ”eixo da intensidade do
som”. A intensidade do som pode ser descrita como se
um determinado som é forte ou fraco. A intensidade do
som é medida em decibéis (na forma abreviada: dB ou
dBHL). Este eixo mostra o limiar mais “baixo” do
audiograma ao qual o som é ouvido. Uma criança com
audição normal deve ser capaz de ouvir frequências de
20 dB ou menos.
Se o nível da intensidade do som for superior a 20 dB
(conforme indicado na parte inferior do gráfico), significa
que a criança apenas consegue ouvir o som em causa a
níveis mais elevados, e que tem uma perda de audição a
uma determinada frequência. Resumindo, por cada
frequência é possível registar uma intensidade de som.
32
Os resultados correspondentes ao ouvido esquerdo e ao
ouvido direito, respectivamente, são indicados no
audiograma através de símbolos diferentes. O registo
correspondente à leitura relativa ao ouvido esquerdo
estará frequentemente indicada a azul e/ou assinalada
com um ”X”, enquanto que a leitura relativa ao ouvido
direito estará frequentemente indicada a vermelho e/ou
assinalada com um ”O”.
Seis graus de perda de audição
Existem tipicamente seis graus de perda de audição
utilizados para descrever a perda de audição de uma
criança relativamente a diferentes frequências.
Compreender a perda de audição do seu filho 33
Grau da perda
de audição
Grau da perda de
audição indicada
em decibéis (dB)
Em termos de
comunicação verbal,
esta situação sugere, na
generalidade:
Mínima 11 a 25 dB Apenas dificuldades menores.
Ligeira 26 a 40 dB Dificuldade em compreender o que
é dito em voz baixa.
Moderada 41 a 55 dB Não consegue ouvir o que é dito em
voz baixa, tem dificuldade em compreender o que é dito em tom de
voz normal.
Mediana 56 a 70 dB Não consegue ouvir o que é dito em
voz baixa, tem dificuldade em compreender o que é dito em tom de
voz normal.
Severa 71 a 90 dB Não consegue ouvir o que é dito em
tom de voz normal, tem dificuldade
em compreender o que é dito em
voz alta.
Profunda 91 dB e superior Não consegue ouvir o que é dito em
voz alta, tem dificuldade em ouvir
sons fortes.
Fale sobre o audiograma com o otorrinolaringologista.
Pergunte quais os sons (frequências) e quais as
intensidades de som que o seu filho consegue ouvir. Estas
informações poderão constituir um bom ponto de partida
para a compreensão da forma como o seu filho ouve o
mundo à volta dele.
34
Diagnóstico
O diagnóstico poderá confirmar ou afastar a sua suspeita
de que o seu filho sofre de perda de audição. Depois de
vários testes ou inclusivamente de várias idas ao
otorrinolaringologista, este último facultar-lhe-á os
resultados dos testes auditivos efectuados ao seu filho e
estabelecerá um diagnóstico.
O médico irá falar acerca do tipo de perda de audição
(condutiva, neurosensorial ou mista), o grau da perda de
audição (ligeira a profunda) e se é unilateral ou bilateral.
O médico deverá também facultar-lhe um prognóstico
relativo às alterações esperadas ao nível da perda de
audição. 
Compreender a perda de audição do seu filho 35
É importante que faça todas as perguntas que tenha
vontade de fazer.
Independentemente do volume de informação que lhe
for facultado, o otorrinolaringologista terá, certamente,
gosto em fornecer-lhe informação complementar, com
factos sobre a perda de audição, ou seja, informação
relevante que o poderá ajudar a melhorar as hipóteses do
seu filho.
36
Apesar da suspeita existente de que o seu filho sofre de
perda de audição, a situação causa tipicamente um
choque quando os receios se confirmam. Alguns pais
culpabilizam-se e passam por uma sensação de
desespero. Outros poderão, eventualmente, rejeitar a
situação ou são incapazes de se conformar com a perda
de audição. Estas reacções são absolutamente normais.
Será, portanto, necessário um certo processo de cura e
de aceitação, antes de os pais se poderem preparar para
os tempos que se avizinham. Muitos destes sentimentos
poderão assentar em perguntas não esclarecidas e
frequentemente, as respostas a essas perguntas e o
conhecimento das soluções que se oferecem poderão dar
muito conforto.
Por isso, converse com qualquer pessoa que sente que
possa lançar um pouco de luz sobre o assunto, ou que
muito simplesmente esteja lá, pronta a ouvir e a escutar
as suas preocupações. Perguntas tais como ”a vida do
meu filho vai ser mais difícil devido à perda de audição?”
ou ”o meu filho vai poder falar normalmente?” são muito
comuns. 
Compreender a perda de audição do seu filho 37
Talvez sinta vontade de falar com um audiologista,
médico, outros pais, professores ou outras crianças com
perda de audição ou outros adultos a quem tenha sido
diagnosticada perda de audição quando eram crianças.
Estas pessoas poderão, não só, ajudar a responder às
suas perguntas, mas as suas histórias poderão também
ajudá-lo a formar uma perspectiva positiva em relação a
toda a situação.
Procure os recursos que existem na sua zona. A sua
família não é, de modo algum, a única família com uma
criança com perda auditiva. Em muitas cidades existem
organizações que poderão apoiar e aconselhar as pessoas
com perda auditiva e as suas famílias.
(Além disso, as bibliotecas e as livrarias possuem livros
que podem ser uma grande ajuda. O Centro de
Conhecimentos dos Portadores de Surdez Adquirida,
Portadores de Surdez e Portadores de Deficiência Auditiva
(Videnscenter for Døvblevne, Døve og Hørehæmmede),
entre outros, publicou um caderno com uma lista de
moradas e de números de telefone de institutos de
audição, clínicas de audição, consultores, organizações de
consumidores, por exemplo, livro esse que poderá ser
encomendado sob o número de referência ISBN 87-
985723-7-7.)
38
Ser pai de uma criança com
perda de audição
As crianças nascem com um espírito aberto e livres de
preconceitos. Aceitam o mundo à sua volta tal como ele
se apresenta.
Uma criança com perda de audição não tem a noção de
que é “portadora de deficiência”, a menos que aprenda a
sentir-se como tal.
O ser humano possui uma capacidade incrível para
compensar as imperfeições físicas ou psíquicas. Todos
somos portadores de imperfeições, maiores ou menores,
quer se trate de perda de visão, de uma constituição fraca
ou de um temperamento irascível.
A imagem que a família e os amigos de uma criança com
perda de audição formaram em relação ao problema
poderá ter uma grande influência na auto-imagem e na
autoconfiança da criança. Se procurar estar bem
informado, se mantiver um espírito aberto, se lhe der
apoio e tiver uma atitude geralmente positiva em relação
à perda de audição, será uma ajuda para que o seu filho
mantenha o espírito aberto e a atitude positiva com que
nasceu.
Ser pai de uma criança com perda de audição 39
40
Os primeiros passos
Os pais são, frequentemente, as primeiras pessoas a
desconfiar que a criança sofre de perda de audição. Se a
audição do seu filho lhe der motivos para preocupação é
muito importante que aja sem demora. Uma intervenção
precoce poderá ter um impacto muito positivo no futuro
da criança. Um teste auditivo simples e indolor poderá
confirmar/afastar a sua suspeita, e a tecnologia moderna
poderá proporcionar uma amplificação do som cómoda e
eficaz.
Mas, um dos aspectos mais relevantes a ter em conta é
continuar a brincar, a cantar e a falar com o seu filho,
visto que uma atenção carinhosa é vital para qualquer
criança, seja ela portadora de perda de audição ou não.
Os primeiros passos
Elaborámos uma lista dos primeiros passos que deverá tomar se
desconfiar que o seu filho tem problemas de audição.
■ Continue a brincar, a cantar e a falar com o seu filho.
O contacto humano é decisivo para o desenvolvimento emocional
e para o bem-estar de qualquer criança. Uma criança com perda
de audição terá, porventura, ainda mais necessidade de ter um
contacto pessoal muito próximo, para poder criar uma base de
comunicação.
Ser pai de uma criança com perda de audição 41
■ Olhe para o seu filho quando fala com ele.
Os seus lábios, a sua expressão facial e os seus movimentos corporais contêm informações relevantes.
■ Fale com voz clara e nítida, sem gritar.
Se elevar demasiado o tom de voz, o som poderá ficar distorcido, o
que o tornará mais difícil de compreender.
■ Certifique-se de que existe luz suficiente, quando fala com
o seu filho, para que a criança possa ver a sua cara com nitidez.
■ Leve o seu filho a um otorrinolaringologista com experiência na área da audiologia infantil e da regulação de aparelhos auditivos para crianças, para que possa ser sujeito a um exame audiológico.
■ Assegure-se de que o aparelho auditivo do seu filho é regulado quanto antes, para que ele possa tirar o máximo proveito
possível de todas as possibilidades que o aparelho oferece. Quanto
mais cedo uma criança puder tirar proveito da amplificação, melhores hipóteses terá de desenvolver uma boa aptidão de comunicação.
■ Procure os recursos que existem na sua zona. A sua família
não é, de todo, a única família com uma criança com perda auditiva. Em muitas cidades existem organizações que podem dar apoio
e aconselhar as pessoas com perda auditiva e as suas famílias.
Além disso, as bibliotecas e as livrarias possuem livros que poderão
constituir uma grande ajuda. 
42
Comunicação
Precisamente como e o quê o seu filho consegue ouvir,
depende da perda de audição específica que o afecta.
Peça ao otorrinolaringologista que descreva a perda de
audição da criança de uma forma que lhe permita
comunicar o mais eficazmente possível com o seu filho.
Essencialmente o médico irá recomendar que fale de
forma clara e bem articulada, de modo a realçar
determinados sons-chave que melhoram a inteligibilidade
das palavras e das frases que são ditas à criança. Este
aspecto reduz ao mínimo a necessidade de repetir e
facilita a comunicação com a criança.
Ser pai de uma criança com perda de audição 43
A terapia da fala e da linguagem poderá ainda melhorar
o desenvolvimento da fala e da linguagem, tanto da
forma receptiva (audição) como da forma expressiva
(fala). Um especialista da área poderá proporcionar um
ambiente de aprendizagem agradável, no qual a criança
aprende com facilidade a reconhecer e a articular
determinados sons, palavras e frases.
Se a criança sofre de perda de audição grave ou profunda
em ambos os ouvidos (perda de audição bilateral), será
normalmente iniciada terapia da fala e da linguagem.
Deverá ser ponderada a hipótese de completar ou
substituir este tipo de ensino por um ou vários métodos
de ensino alternativos, os quais poderão englobar a
leitura labial, os gestos e as expressões, a dactilologia ou
a linguagem gestual. 
44
Rede de apoio
Enquanto pai/mãe você lidera a rede de apoio que ajuda
a proporcionar ao seu filho o melhor começo de vida
possível.
Assegurar o melhor cuidado possível requer
empenhamento, energia e determinação, podendo às
vezes ser frustrante ter de analisar um grande volume de
informação e de possibilidades de escolha, mas as vitórias
que se vai conseguindo ao longo do percurso, fazem com
que todo esse esforço valha a pena.
Os pais, uma parte da rede de apoio
Sugestões que podem ajudar os pais a prepararem-se para o papel de pai/mãe nesta rede de apoio.
Confie nos seus instintos
Se em alguma altura quiser questionar um conselho dado por
um perito, se sentir que não possui informação suficiente, se notar que o aparelho auditivo do seu filho não funciona como é habitual, ou se tiver quaisquer outras preocupações, procure ajuda.
Ninguém conhece o seu filho tão bem como você.
Mantenha-se informado
Quanto mais souber acerca da perda de audição e da ajuda que
está disponível, melhores hipóteses terá de assegurar a melhor
ajuda e os melhores cuidados possíveis para o seu filho. Procure
saber quais os direitos e quais as hipóteses de escolha de que dis-
Ser pai de uma criança com perda de audição 45
põe o seu filho e procure entender as características específicas
da perda de audição que o afecta, bem como o modo de funcionamento da tecnologia disponível.
Alargue a rede de apoio
Uma rede de apoio alargada constitui uma boa base para o futuro da criança. Para além de um grupo de profissionais constituído por médicos, assistentes de audiologia, educadores e outros profissionais, é possível obter bons apoios e ajuda através
de organizações, grupos de pais, publicações, etc.
Cuide da sua saúde
Para além de todas as exigências que a educação de um filho
normalmente acarreta, as necessidades especiais de uma criança com perda de audição poderão, às vezes, tornar-se avassaladoras. Antes que ”atarefado” se transforme em ”stressado”,
será boa ideia verificar se está a ter cuidado consigo mesmo.
A paciência fará com que as tarefas pareçam mais fáceis, por
isso viva um dia de cada vez e seja realista quanto às suas expectativas. É importante ter alguém em quem se apoiar, por
isso será boa ideia falar com a família e os amigos acerca
das questões que o preocupam. O seu apoio e compreensão
poderão ajudá-lo a ver os problemas sob outra luz, mais positiva. Não tenha receio de pedir ajuda, sempre que sentir que ela
é necessária.
Pais felizes são os melhores pais, para qualquer criança.
46
Outros elementos da rede de apoio
Para além do papel relevante que os pais assumem no
apoio permanente a uma criança com perda de audição,
a rede deverá incluir diversos outros elementos.
Audiologia e apoio médico
Compete à clínica da audição assegurar que a criança
possa beneficiar da tecnologia mais recente e das
possibilidades de apoio que estão disponíveis. A clínica
deverá efectuar testes frequentes à audição da criança
bem como os necessários ajustes ao aparelho auditivo.
Compete igualmente à clínica da audição e ao terapeuta
da audição assegurar que os pais possuem os
conhecimentos necessários para operar o aparelho
auditivo e fornecer-lhes as informações de que
necessitam para lidar com a perda de audição do filho. 
Ser pai de uma criança com perda de audição 47
Ensino da fala e da língua
Os terapeutas da fala e da audição possuem diversas
técnicas e ferramentas para ensinar a criança, podendo
assim ajudá-la a desenvolver uma fala e linguagem
adequadas. Talvez a escola do seu filho possa oferecer
essa possibilidade de aprendizagem. O educador deverá
também ensinar a criança a praticar a comunicação certa,
tanto em casa como na escola.
48
Apoio escolar
Deverá, na medida do possível, escolher uma escola que
possa prestar um bom apoio aos alunos com perda de
audição. Alguns professores poderão, eventualmente, dar
aulas de ensino especial.
No próximo capítulo encontra uma lista de verificação
relativa à escola e que deverá ser tomada em
consideração na escolha do estabelecimento de ensino
que a criança irá frequentar. Se não puder escolher a
escola que o seu filho irá frequentar, poderá mostrar a
lista de verificação ao Conselho Directivo do
estabelecimento de ensino em causa, como uma ajuda
para garantir a introdução das alterações necessárias na
sala de aulas onde a criança irá estar.
Ser pai de uma criança com perda de audição 49
A escola
A infância é o período durante o qual são captadas as
mensagens de vida mais importantes e que constituem a
passadeira no caminho para a idade adulta. Todos os dias
as crianças são confrontadas com novas informações,
aprendem novos contextos, tanto durante o tempo que
passam na sala de aulas, como quando estão totalmente
absorvidos pela brincadeira.
Os professores são uma parte decisiva da rede que deverá
ajudar a criança no seu percurso ao longo da vida. As
crianças com perda de audição severa frequentam,
normalmente, um estabelecimento de ensino especial.
Muitos pais preferem, quando possível, que os filhos
frequentem um estabelecimento de ensino público
normal, em vez de um estabelecimento de ensino
especial. Se a criança frequenta um estabelecimento de
ensino normal, é importante certificar-se de que os
professores possuem a formação necessária para fazer
face às necessidades especiais das crianças com perda de
audição. Desde que essas necessidades possam ser
atendidas, a maioria das crianças sai-se bem.
50
Os professores devem compreender a importância que o
ambiente auditivo assume para a criança. Para além do
efeito que a audição tem na aprendizagem, o bem-estar
social e psíquico da criança na escola poderá depender de
um ambiente auditivo positivo. É importante que a
criança faça parte das actividades que se desenvolvem à
sua volta.
Abaixo segue uma lista dos aspectos a considerar na
escolha do estabelecimento de ensino.
Se conseguir responder ”sim” à maioria destas perguntas,
a escola do seu filho está adequadamente adaptada de
modo a poder proporcionar um bom ambiente auditivo.
Se não for esse o caso, é provável que os professores e a
escola não estejam familiarizados com as necessidades
especiais que o seu filho tem. Ao trocar impressões
acerca desta lista com a escola e com os professores,
estará a ajudá-los a compreender a importância de um
ambiente auditivo adequado. Muitos destes aspectos
poderão também ajudar as crianças com audição normal
a ouvir melhor na sala de aulas. 
Ser pai de uma criança com perda de audição 51
Lista de verificação relativa à escola
■ Os professores e os funcionários da escola possuem conhecimentos suficientes acerca da perda de audição e dos
aparelhos auditivos para poderem ajudar o seu filho a ultrapassar obstáculos menores?
■ Os professores estão dispostos a aprender mais sobre a
perda de audição e sobre os aparelhos auditivos?
■ Os professores são sensíveis e compreensivos em relação à perda de audição do seu filho?
■ Os professores estão dispostos a ensinar os outros alunos, para evitar eventuais mal-entendidos e preconceitos
relativos à perda de audição do seu filho?
■ Na escola existe o acesso a ensino especial, caso o seu
filho necessite de ajuda adicional para fazer os trabalhos
escolares?
■ A escola estabeleceu uma política relativa à chacota?
A chacota entre as crianças por causa dos óculos, do peso,
dos aparelhos auditivos ou do que quer que seja, não
deve ser tolerada.
■ A escola adquire e mantém um sistema de FM?
➤➤➤
52
➤➤➤ Lista de verificação relativa à escola,
continuação
■ Os professores estão dispostos a utilizar um microfone
como parte de um sistema de FM?
■ A escola estará disposta a manter um stock de pilhas
para os aparelhos auditivos?
■ A sala de aulas do seu filho está afastada de fontes de
ruído forte (como, por exemplo, a porta principal da escola, corredores movimentados, o trânsito da rua, o recreio, o gabinete do chefe dos contínuos, a sala da caldeira ou o ginásio)?
■ O chão está revestido com alcatifa para evitar a ambiência ou ruído desnecessário produzido pelo arrastar de
cadeiras e mesas?
■ Se não for possível a colocação de uma alcatifa, haverá, em alternativa, possibilidade de aplicar pequenos discos de borracha ou feltro nas pernas das mesas e das cadeiras?
Ser pai de uma criança com perda de audição 53
■ O seu filho tem possibilidade de ficar sentado na primeira fila da sala para poder ver e ouvir o professor? Desta forma as perturbações poderão ser reduzidas ao mínimo e a criança poderá conseguir a melhor interacção possível com os outros alunos (dependendo do método de
ensino adoptado na sala de aulas).
■ As condições de luz na sala de aulas são adequadas,
permitindo a leitura labial?
■ São tomadas medidas para assegurar que os restantes
alunos não conversam livremente durante a aula?
■ Existe a possibilidade de atenuar um eventual ranger causado por objectos tais como portas ou tampos de
mesa?
■ São dadas instruções especiais às crianças com perda
de audição sobre como devem agir em caso de incêndio
ou em caso de emergência?
54
Obtenha a ajuda de que o seu
filho precisa
Enquanto pai/mãe, tem possibilidade de se envolver nos
cuidados profissionais dispensados ao seu filho. Deve
poder contar com uma comunicação muito aberta com
os profissionais envolvidos e deve sentir-se à vontade para
colocar todo o tipo de perguntas que quiser e apenas se
deve dar por satisfeito(a) com as explicações que
conseguir entender de forma clara e nítida.
Lidar com a perda de audição de uma criança representa
um grande desafio para os serviços públicos que prestam
cuidados auditivos. É um processo permanente que
poderá significar que se avance inicialmente através da
experimentação-erro, até ser encontrada a estratégia
mais adequada. A estratégia final, uma combinação do
tipo de amplificação, forma de comunicação e método de
ensino, etc., será aquela que irá facultar à criança o
melhor som e as melhores possibilidades de comunicação
e de aprendizagem. Dito de outra forma, a melhor
qualidade de vida possível. Através da tecnologia e das
competências disponíveis hoje em dia, tanto os pais como
a criança poderão ter expectativas elevadas.
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 55
56
A amplificação de sons constitui a chave para a
comunicação da criança com o mundo ouvinte. Com vista
a proporcionar à criança estímulos auditivos óptimos, a
amplificação deverá ser facultada o mais rapidamente
possível depois de efectuado o diagnóstico. A
amplificação não altera, naturalmente, a perda de
audição da criança, mas permite à criança ouvir sons que
de outra forma seriam demasiado ténues para serem
captados por ela. Existem duas formas de amplificação
do som:
Aparelhos auditivos
A utilização de aparelhos auditivos permite à criança
utilizar a sua capacidade auditiva residual para optimizar a
percepção de som. Os aparelhos auditivos proporcionam
amplificação e um processamento especial do som que
ajuda a criança a obter o melhor proveito possível dos
sons que são produzidos no meio envolvente normal. 
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 57
Implante coclear
Um implante coclear é um dispositivo em miniatura que
permite às crianças com perda de audição profunda
captar sons. O dispositivo contém um conjunto de
eléctrodos que são implantados na cóclea (o caracol) no
ouvido interno. Os eléctrodos geram actividade eléctrica
que estimula directamente o nervo auditivo o qual, em
seguida, transmite a informação ao centro auditivo do
cérebro.
Dado que o implante tem de ser introduzido no ouvido
interno, irá, inevitavelmente, destruir as células sensoriais
ou células ciliadas remanescentes no ouvido interno. Mas
dado que as crianças com perda de audição biauricular
profunda possuem muito poucas ou quase nenhumas
células ciliadas no ouvido interno, a audição que o
implante coclear lhes pode proporcionar justifica a
destruição dessas poucas células. Assim, o implante é
normalmente recomendado para crianças com perda de
audição profunda em ambos os ouvidos, nas quais as
tentativas anteriores com aparelhos auditivos não
produziram resultados positivos. O implante coclear
poderá ser uma alternativa positiva numa situação destas.
O implante raramente se realiza antes de a criança ter 18
meses de idade. São efectuados exames muito rigorosos
para determinar se a criança é uma candidata adequada
a um implante coclear.
58
Aparelhos auditivos
A regulação de aparelhos auditivos para crianças,
principalmente para crianças mais pequenas, coloca grandes
desafios à clínica de audição. A fisiologia, a maturidade e as
aptidões linguísticas das crianças mudam constantemente e
exigem um elevado grau de flexibilidade, no que diz respeito
aos procedimentos audiológicos e aos equipamentos, tendo
em vista garantir o melhor resultado possível.
A regulação dos aparelhos auditivos é, portanto, um
processo muito flexível, ágil e contínuo. Com a tecnologia
mais recente aumentou o número de aparelhos auditivos no
mercado e os progressos tecnológicos aumentaram a
possibilidade de uma regulação bem sucedida. As
características únicas inerentes a uma criança e ao seu meio
envolvente irão determinar qual o aparelho mais indicado. A
clínica da audição irá aconselhar e informar acerca das
vantagens e desvantagens associadas a determinados
aparelhos auditivos para o seu filho.
Uma vez regulado o aparelho auditivo da criança, a
motivação e a perseverança dos pais são decisivos para que
seja alcançado um bom resultado. O seu filho deve entender
que é importante que utilize o aparelho auditivo o mais
possível, para garantir uma boa interacção e comunicação.
Deverá dar um bom exemplo ao seu filho, demonstrando
uma atitude positiva e encorajadora.
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 59
Tamanhos
Existem diversos modelos e tamanhos de aparelhos
auditivos, desde o modelo retroauricular, cujos
componentes estão montados dentro de um invólucro
colocado atrás da orelha, até aos modelos mais pequenos
usados dentro do ouvido, cujos componentes electrónicos
estão montados num invólucro que se ajusta ao canal
auditivo e cuja forma é feita a partir de um molde do
ouvido.
A técnica utilizada nos aparelhos auditivos
São utilizados dois tipos de circuitos nos aparelhos
auditivos. Os circuitos analógicos foram muito utilizados
ao longo de muitos anos. Porém, nos últimos anos, a
tecnologia digital, semelhante à tecnologia utilizada para
produzir os sons cristalinos gravados num CD,
revolucionou a indústria dos aparelhos auditivos ao
melhorar nitidamente a qualidade do som e a flexibilidade
na regulação dos mesmos.
60
Aparelhos auditivos digitais
O processador digital situado no aparelho auditivo
funciona como um computador altamente complexo. A
utilização de um sinal digital permite efectuar cálculos
complexos em muito pouco tempo. Os sons podem ser
manipulados de diversas formas, de modo a obter um
som de elevada qualidade. Além disso, os aparelhos
auditivos digitais possuem características inovadoras
recentes, tais como microfones direccionais totalmente
adaptáveis que facilitam a audição da voz aos utilizadores
de aparelhos auditivos em ambientes ruidosos. Os
aparelhos auditivos digitais são também muito reguláveis,
podendo ser afinados de modo a compensar a maioria
dos problemas relacionados com a audição.
Regulação biauricular
Se a criança tem perda de audição em ambos os ouvidos,
é importante que possa dispor de um aparelho auditivo
para cada ouvido. Uma amplificação em ambos os
ouvidos, denominada regulação biauricular, ajuda a
proporcionar uma melhor compreensão da fala em
situações com muito ruído. Acresce que a falta de
estimulação da audição no ouvido não sujeito a
amplificação pode causar a deterioração gradual do
funcionamento do nervo auditivo.
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 61
Cores
Muitos aparelhos auditivos estão disponíveis em cores
luzentes e imaginativas. A razão é que, enquanto a
maioria dos adultos pretende que o aparelho auditivo
combine com a cor da pele ou do cabelo, de modo a
passarem mais despercebidos, muitas crianças preferem
uma cor luzente que torne os aparelhos mais bonitos ou
”cool”. A maioria das crianças acha os aparelhos auditivos
de cor creme ou castanha fastidiosos.
62
Como funciona um aparelho auditivo?
O assistente de audiologia ou o terapeuta da audição irá
facultar-lhe instruções detalhadas para uma correcta
utilização e manutenção do aparelho auditivo do seu
filho. Uma orientação introdutória prática sobre o
aparelho auditivo é melhor do que um grande volume de
material impresso com imagens. Deve procurar esclarecer
todas as dúvidas que tiver, mesmo se sentir que as suas
perguntas possam parecer tolas; a sua vontade de
perguntar contribuirá para um melhor desenvolvimento
das competências da fala e linguísticas do seu filho.
Os aparelhos auditivos são, na realidade, pequenos
amplificadores acondicionados num invólucro de plástico
moldado. O microfone do aparelho auditivo capta os sons
do meio envolvente e converte-os em sinais eléctricos, os
quais, em seguida, são enviados para o amplificador do
aparelho auditivo. O amplificador aumenta o volume do
som de modo a adequar-se ao limiar de audição da
criança. Nos aparelhos auditivos com amplificação linear,
todos os sons são amplificados de modo igual. Na
amplificação não linear os sons mais baixos, que são os
sons que a criança com perda de audição tipicamente
não consegue captar, são os que são mais amplificados.
Os sons fortes, pelo contrário, são pouco ou nada
amplificados. Um aparelho auditivo não linear
correctamente regulado torna os sons fracos audíveis e os
sons fortes não incómodos.
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 63
Após a amplificação do som, um altifalante converte
novamente o sinal eléctrico num sinal audível e envia o
sinal para o canal auditivo. Alguns aparelhos auditivos
possuem um controlo de volume que pode ser operado
por crianças mais crescidas ou por adultos. Este controlo
de volume pode ser constituído por um interruptor
basculante, um botão de ajuste ou pode ser controlado
por comando à distância. Muitos dos aparelhos auditivos
modernos ajustam automaticamente a intensidade do
som ao ambiente de escuta da criança e não possuem,
por essa razão, um controlo de volume.
Os aparelhos auditivos são, no entanto, programáveis, o
que significa que o técnico pode efectuar um ajuste
individual. A criança deverá ser vista pelo técnico com
vista a efectuar a regulação necessária. Este aspecto é
particularmente importante nos bebés. Até aos 2 anos de
idade as crianças devem ser vistas a intervalos de 3 a 4
meses, em seguida, até aos 5 anos de idade, de seis em
seis meses e, depois disto, uma vez por ano. Deverão
ainda ser efectuados ajustes sempre que houver queixas
da criança ou dos pais em como o aparelho não funciona
conforme previsto.
64
Manutenção do aparelho auditivo
É importante que leia e siga as instruções que
acompanham o aparelho auditivo do seu filho. Um
aparelho auditivo é um instrumento electrónico sensível e
complicado, concebido meticulosamente para suportar
muitos anos de uso diário. Muitos aparelhos auditivos
podem ficar avariados se forem expostos a condições
extremas ou se não forem objecto de manutenção.
Como uma ajuda para as crianças, a seguir indicamos 10
bons conselhos relativos à manutenção do aparelho,
explicados pela baleia Dexi. Para cada conselho existem
explicações e linhas de orientação que facultam ao adulto
um conhecimento de base aprofundado para que depois
possa explicar à criança, numa linguagem que se adequa
à idade desta, como deve ser efectuada a manutenção
do aparelho auditivo, enquanto vêem os desenhos juntos.
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 65
1. Não deixes cair o aparelho auditivo no chão
O aparelho auditivo poderá ficar danificado se sofrer um choque forte. Recomendamos, por isso, que segure os aparelhos
auditivos sobre uma superfície macia ao limpar os mesmos ou
quando substituir as pilhas, etc. Evitará, assim, eventuais danos, caso tenha o azar de deixar cair os aparelhos.
2. Nunca ponhas as pilhas na boca
Deverá tomar medidas para assegurar que os aparelhos auditivos fiquem fora do alcance de crianças pequenas as quais poderão lembrar-se de meter as pilhas na boca. As pilhas devem
ser conservadas em local não acessível às crianças enquanto as
pilhas usadas devem ser eliminadas com cuidado. Não troque
as pilhas à vista da criança nem lhe mostre onde guarda as pilhas. Existem porta-pilhas resistentes à abertura por crianças,
que permitem que as pilhas permaneçam dentro do aparelho.
Em caso de ingestão deverá falar com o seu médico.
66
3. O aparelho não funciona como é habitual? Diz a um adulto.
É importante que a criança fale com um adulto (pais, professor) sempre que o aparelho não funcionar como é habitual. O
adulto poderá experimentar o aparelho auditivo através de um
Widex Stetoclip e da colocação de um tubo de atenuação ou
equipamento equiparado, para avaliar se o aparelho precisa de
ser regulado ou reparado.
4. Tem cuidado para que o teu cão não apanhe o teu aparelho
 auditivo
Os cães podem achar interessante mastigar um aparelho auditivo, se lhes for dado oportunidade para isso. Por essa razão é
importante guardar os aparelhos auditivos num local fora do
alcance do cão.
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 67
5. Não utilizes o secador ou spray para o cabelo,
quando tiveres os aparelhos auditivos postos.
O ar quente de um secador ou os produtos químicos contidos
num spray poderão estragar os aparelhos auditivos. Os aparelhos devem ser retirados dos ouvidos antes de utilizares objectos como esses.
6. Os aparelhos auditivos não poderão ficar molhados
Toma cuidado para que os aparelhos auditivos não fiquem
molhados. Deves tirá-los dos ouvidos antes de tomar banho,
nadar ou se estiver a chover bastante. Também não deves utilizar água ou outros líquidos para limpar os aparelhos auditivos.
A água apenas poderá ser utilizada para limpar os moldes depois de estes terem sido retirados dos aparelhos.
68
7. Limpa o teu aparelho auditivo com um pano limpo e seco
Os aparelhos auditivos devem ser limpos todos os dias, depois
de usados, com um pano limpo e seco. Não utilizes detergentes líquidos para limpar o aparelho auditivo. No entanto, a
água poderá ser utilizada para limpar os moldes depois de estes terem sido retirados dos aparelhos.
8. Não exponhas os aparelhos auditivos a calor extremo
Alguns dos componentes do aparelho auditivo poderão ficar
danificados se forem expostos a temperaturas elevadas. Com
vista a proteger os aparelhos auditivos contra calor muito intenso nunca os deixes no peitoril da janela ou junto ao vidro
da frente ou de trás do carro.
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 69
9. Nunca desmontes o aparelho auditivo
Nunca deves tentar arranjar o aparelho auditivo. E não obstante as crianças serem, frequentemente, curiosas, nunca se
deve desmontar um aparelho auditivo. Se o aparelho tiver problemas, deve levá-lo a uma clínica da audição para que possa,
eventualmente, ser enviado à Widex para reparação.
10. Guarda os teus aparelhos auditivos em local seguro sempre
 que não estiveres a utilizá-los.
Quando os aparelhos auditivos não estão a ser utilizados devem ser guardados no estojo e conservados em local seco à
temperatura ambiente.
70
Acessórios
Existem muitos tipos diferentes de acessórios que podem
constituir um bom complemento para um aparelho
auditivo e facilitar o dia-a-dia de uma criança com perda
de audição.
Abaixo encontra a descrição de alguns dos tipos de
acessórios mais comuns, os quais, frequentemente,
podem ser feitos “por medida” de modo a responder às
necessidades individuais da criança. Seria uma boa ideia
contactar um especialista em audiologia para saber qual
o tipo de acessórios que existe para o caso do seu filho.
Sistemas de alarme
As crianças com perda de audição poderão ter dificuldade
em ouvir os alarmes. Poderá, consequentemente, ser
útil instalar um sistema de alarme especial que permita à
criança aperceber-se, mais facilmente, de um sinal de
alarme.
O sistema de alarme poderá estar ligado à campainha da
porta, a um telefone, um despertador, um sistema de
detecção de fumos ou outro sistema semelhante. O sinal
de alarme poderá ser transmitido por meio de um som
mais forte, vibrações ou por activação de uma luz.
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 71
Sistema de emissor para receptor auricular
Um sistema de emissor para receptor auricular transfere o
som de um emissor, através de ondas electromagnéticas,
para um receptor auricular. O emissor poderá, por
exemplo, estar montado num televisor, enquanto que o
receptor é tipicamente constituído por um aparelho
auditivo provido de telebobina.
Um sistema de emissor para receptor auricular poderá ser
particularmente vantajoso, para crianças com perda de
audição severa, em situações acústicas difíceis, como no
cinema, no teatro e na igreja. O sistema de emissor para
receptor auricular também poderá ser instalado em casa,
tornando mais fácil ver televisão ou ouvir rádio desde que
o aparelho auditivo possua telebobina.
O sistema faz lembrar um sistema de FM, mas é menos
móvel, na medida em que não é um sistema sem fios,
como é o caso do sistema FM. A maioria dos aparelhos
auditivos está equipada com telebobina.
De um modo geral não se aconselha a utilização de
sistemas de emissor/receptor nas salas de aulas, dado que
a recepção do sinal pode ser perturbada se for utilizado
em simultâneo mais do que um sistema de emissor/
receptor na escola.
72
Sistemas de emissor para receptor auricular:
A. Emissor para receptor auricular
B. Amplificador
C. Microfone
D. Zona de escuta
A
D
B C
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 73
Telefone amplificador
Existem telefones especiais que amplificam o som e
utilizam a telebobina do aparelho auditivo, permitindo,
assim, que a criança mantenha o aparelho auditivo posto
quando fala ao telefone.
Microfone de mão
Um microfone de mão poderá ser utilizado com a maioria
dos aparelhos auditivos retroauriculares e aparelhos
auditivos utilizados junto ao corpo. O microfone é ligado
ao aparelho auditivo através de um cabo ligado a uma
sapata áudio. Dado que o cabo do microfone está ligado
ao aparelho auditivo, o microfone terá de ser segurado
pela pessoa que estiver a utilizar o aparelho auditivo.
Quando o microfone é segurado na direcção da pessoa
que fala, o sinal da voz que vem dessa direcção é ouvido
com mais clareza do que os outros sinais de voz. Poderá
ser uma vantagem em festas ou outras situações onde há
muito ruído de fundo. 
74
Sistema FM (emissor/receptor)
Um sistema FM é composto por dois componentes base:
um microfone com radioemissor FM e um radioreceptor
FM sem fios.
Os sistemas emissor/receptor FM são frequentemente
utilizados nas salas de aulas. Os sistemas permitem ao
professor falar para um microfone que envia o sinal para
um receptor ligado ao aparelho auditivo do aluno através
de um sistema sem fios. 
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 75
Nos sistemas convencionais, o receptor está ligado através
de um cabo a uma sapata áudio situada no aparelho
auditivo. Nos sistemas mais modernos, o receptor é
concebido como um pequeno adaptador montado no
aparelho auditivo, tornando desnecessários os cabos.
Num sistema FM, a distância real entre o professor e a
criança corresponde à distância entre a boca do professor
e o microfone, o que proporciona uma relação sinal/ruído
muito melhor, mesmo em condições acústicas difíceis.
76
A atitude da widex relativamente à
regulação dos aparelhos auditivos para
crianças
Conforme as crianças vão crescendo vão sofrendo
mudanças físicas constantes. A sua resposta aos sons
amadurece. A capacidade de distinguir é reforçada.
Quando se acrescenta este aspecto a diferentes
considerações de segurança, cosméticas e ergonómicas,
torna-se óbvio que os requisitos colocados aos aparelhos
auditivos para crianças são muito diferentes dos requisitos
colocados aos aparelhos para adultos.
Na Widex consideramos que a normalização de
directrizes para a regulação de aparelhos auriculares para
crianças com perda de audição apenas satisfaz as
necessidades mínimas dessas crianças. Devido às
necessidades de desenvolvimento delas, é necessário
satisfazer um maior número de requisitos, por forma a
garantir uma audição constante do sinal de voz, a menor
distorção do som e o máximo conforto acústico.
Nas páginas seguintes iremos falar acerca de alguns dos
desafios que a regulação de aparelhos para crianças
coloca e as soluções que os aparelhos auditivos digitais
Widex podem oferecer.
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 77
Precisão na regulação
Desafios:
A regulação de aparelhos auditivos para crianças
pequenas pode constituir um desafio. A audição das
crianças deverá ser analisada a partir de critérios e
técnicas distintos daqueles que se aplicam às crianças
mais velhas e aos adultos. As crianças mais pequenas
distraem-se facilmente e raramente estão dispostas a
suportar exames demorados e complicados. Por esse
motivo, os aparelhos auditivos para crianças deverão
poder ser regulados para um nível óptimo, no mais curto
espaço de tempo possível. Acresce que as crianças mais
pequenas não conseguem, normalmente, fornecer
informações subjectivas para a regulação do aparelho
auditivo. Na regulação dos aparelhos auditivos para
crianças devem, consequentemente, ser utilizadas
técnicas que exigem da criança o menor número possível
de informações subjectivas.
A regulação poderá ser mais eficaz e mais rigorosa se for
determinado o limiar de audição da criança através dos
aparelhos auditivos da própria criança e com os aparelhos
internos colocados nos ouvidos. Esta técnica é designada
como medição do limiar in situ. 
78
Soluções:
A racionalidade da regulação dos aparelhos para crianças
Widex assegura que os aspectos individuais da perda de
audição da criança são levados em linha de conta na
regulação. Esta regulação concebida para crianças
assegura uma amplificação precisa do aparelho auditivo
em diferentes situações acústicas.
Diversos aparelhos auditivos digitais Widex são regulados
através da estratégia de regulação in situ digital única
denominada Sensograma. Para efeitos de medição de um
Sensograma, o aparelho auditivo é colocado no ouvido
da criança e o limiar de audição da criança é medido em
três canais de frequência. Na realidade, o aparelho
auditivo é utilizado como um audiómetro. A vantagem
associada a este método é que as condições acústicas
junto do tímpano são rigorosamente as mesmas durante
a regulação como nas condições normais de utilização do
aparelho auditivo. Este método permite afinar a
amplificação com grande rigor e eficácia. 
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 79
Electroacústica flexível
Desafios:
Conforme a criança vai crescendo, desde o nascimento
até aos 5 anos de idade, os ouvidos dela também
crescem. O comprimento do canal auditivo aumenta, o
que tem influência na regulação do aparelho auditivo,
tanto no que diz respeito à necessidade de amplificação,
como à necessidade de novos aparelhos internos. Uma
otite do ouvido médio poderá também causar uma perda
de audição condutiva variável nas crianças. Estas
alterações que se devem ao crescimento do canal auditivo
e às oscilações no nível do limiar de audição, apontam
para que a regulação inicial dos aparelhos auditivos seja
inadequada ao fim de algum tempo de utilização,
levando à necessidade de reprogramar o aparelho.
Com vista a facultar espaço para estas alterações que se
registam ao nível do limiar de audição e da constituição
da criança, os aparelhos auditivos devem possuir
regulação flexível electroacústica e uma estratégia de
regulação que permita uma (nova) regulação rápida e
precisa.
80
Solução:
Os aparelhos auditivos digitais Widex permitem que a
amplificação de sinais de entrada fracos, médios ou fortes
possa ser ajustada através de diversos canais que
abrangem um largo espectro. Os aparelhos auditivos
poderão, assim, ser regulados para muitas formas
distintas de perda de audição. As regulações iniciais
permitem ainda a actualização ou a reprogramação, o
número de vezes que for necessário.
Ambientes acústicos variáveis
Desafio:
As crianças são activas por natureza e são expostas a
muitos ambientes acústicos distintos no seu dia-a-dia.
Algumas vezes ouvem a fala em voz baixa quando estão
sentadas no colo da mãe, enquanto outras vezes ouvem
as outras crianças a gritar no parque infantil. Por causa da
diferença na distância e na fonte de som, os sons que
chegam aos seus aparelhos auditivos apresentam
intensidade diferente. Com os aparelhos auditivos lineares
que proporcionam a mesma amplificação a todos os
níveis de entrada de som, alguns destes sons podem ser
fracos demais para serem ouvidos, enquanto outros
podem ser muito fortes e causar desconforto.
Um controlo de volume ou diferentes programas podem
ajudar a compensar os diferentes níveis de som nos
diferentes ambientes acústicos. Infelizmente implica que a 
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 81
criança (e/ou os pais) operem fisicamente o controlo de
volume ou os botões de programação no momento
certo. Este aspecto poderá revelar-se pouco prático para
muitas crianças e para os pais delas.
Solução:
Um aparelho auditivo que regula automaticamente a
amplificação de diferentes níveis de som poderá
proporcionar a amplificação correcta em qualquer
ambiente acústico do dia-a-dia. Este aspecto pode ser
conseguido através de um sistema de compressão que
abrange todo o espectro de som do ambiente acústico
diário e transfere-o para a zona acústica mais restrita da
criança. O algoritmo de compressão utilizado nos
aparelhos auditivos Widex é um exemplo desses sistemas
avançados.
Um aparelho auditivo digital Widex toma em
consideração as alterações que ocorrem no ambiente
acústico da criança. Regula o processamento do sinal, por
forma a que os sons fracos sejam ouvidos como sons
fracos e os sons fortes como sons fortes, mas sem que se
tornem desconfortavelmente fortes. Para as crianças a
vantagem reside no facto de este aspecto poder ser
alcançado sem recurso a um controlo de volume manual
nem a botões de programação, o que é particularmente
importante no caso das crianças mais pequenas que
poderão ter dificuldade em operar um controlo de
volume.
82
Audibilidade dos sons fracos
Desafio:
A perda de audição significa a incapacidade de ouvir sons
fracos. Nas crianças, este aspecto poderá causar atraso
no desenvolvimento normal da fala e da linguagem. Um
aparelho auditivo deverá, por isso, proporcionar
amplificação suficiente para garantir a audibilidade,
inclusivamente dos sons vocais mais fracos.
Com vista a assegurar a audibilidade de sons de voz
fracos, é necessário um circuito de compressão com um
baixo limiar de compressão. Quanto mais baixo for o
limiar de compressão, mais forte será a amplificação dos
sons fracos. Com a tecnologia analógica este aspecto
torna-se, infelizmente, difícil de concretizar, devido, entre
outros, a problemas de estabilidade, de retroacoplamento
e do ruído próprio do aparelho. 
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 83
Solução:
Com as técnicas digitais de processamento de sinal, os
engenheiros da Widex conseguiram atingir um baixo
limiar de compressão, a 20 dB HL ou menos, na maioria
dos aparelhos auditivos digitais Widex. Para reduzir ao
mínimo o ruído próprio dos aparelhos auditivos, um
sistema único de redução do ruído próprio limita este
último para níveis inferiores ao limiar de audição do
utilizador, proporcionando deste modo um sossego
constante no aparelho auditivo. O utilizador do aparelho
auditivo pode, assim, ouvir sons vocais fracos sem ruído
próprio audível e sem o desconforto causado por
elevados níveis de sons de entrada.
Foi comprovado, através de exames clínicos, que a
audibilidade óptima de todos os sons vocais numa fase
precoce da vida proporciona um melhor desenvolvimento
da fala e da linguagem. 
84
Manutenção das características temporais
Desafio:
A forma como o sinal de voz se altera com o tempo
(característica temporal), ajuda o utilizador de aparelho
auditivo a identificar os sons e, dessa forma, a
compreender o seu significado. Na generalidade, as
crianças mais pequenas precisam de captar mais
características, para poderem identificar os sons vocais,
do que as crianças mais crescidas e os adultos. Por esse
motivo é importante que o processamento de sinal
utilizado para as crianças mais pequenas possa preservar
mesmo as diferenças mais ténues do som, com vista a
facilitar a sua identificação.
Existem diversos tipos de aparelhos auditivos que
conseguem acompanhar as mudanças rápidas na voz de
entrada. Enquanto que se assegura a audibilidade com
uma velocidade superior, as características temporais do
sinal de voz são reduzidas, o que poderá dificultar a
compreensão da fala, principalmente para as crianças
com perda de audição severa.
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 85
Solução:
Os aparelhos auditivos digitais Widex efectuam um
processamento mais lento da voz de entrada, garantindo,
desse modo, a audibilidade e o conforto, ao mesmo
tempo que proporcionam ao utilizador a possibilidade de
captar as características temporais da voz. Este
mecanismo contribui para que a criança identifique e
compreenda melhor a fala.
Os aparelhos auditivos avançados da Widex utilizam
também um outro mecanismo, o Sound Stabilizer™, que
analisa a relação de intensidade entre os sinais de
entrada, para garantir que as características temporais da
voz continuem audíveis, mesmo quando precedidos de
sons fortes. A voz continua assim audível e agradável, em
muitas situações acústicas distintas. 
86
Optimização da relação sinal/ruído
Desafio:
A relação sinal/ruído corresponde à diferença relativa
entre som (o sinal) e o ruído de fundo. Quanto mais alta
for a relação sinal/ruído, mais audível será a voz no meio
do ruído. As pessoas com perda de audição necessitam
de uma melhor relação sinal/ruído para conseguir o
mesmo nível de inteligibilidade da voz do que as pessoas
com audição normal. Este aspecto aplica-se ainda mais
no caso das crianças do que nos adultos.
O ambiente de comunicação primário das crianças é
tipicamente ruidoso (salas de aulas, parques infantis, etc.).
Dado que as competências linguísticas das crianças não
estão tão desenvolvidas como nos adultos, torna-se mais
difícil para as crianças colmatar os ”buracos” que
ocorrem nas mensagens verbais nos ambientes ruidosos.
Relativamente à capacidade auditiva e ao
desenvolvimento da fala e da linguagem das crianças
torna-se, por isso, particularmente importante garantir a
audibilidade através de uma boa relação sinal/ruído.
Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa 87
Solução:
Os aparelhos auditivos com microfones direccionais podem
melhorar a relação sinal/ruído do ambiente acústico. Ao reduzir a sensibilidade do aparelho auditivo aos sons vindos dos
lados e da retaguarda, um aparelho auditivo direccional Widex torna mais fácil ouvir e entender a voz no meio do ruído.
A sensibilidade direccional totalmente adaptável de alguns
aparelhos auditivos avançados Widex deverá ser considerada
como uma solução óptima para audição em ambientes ruidosos. Dado que a fonte de som muda de direcção com o
tempo, o sistema de microfone direccional totalmente adaptável deverá ser regulado em conformidade, de modo a poder proporcionar, continuadamente, uma relação óptima sinal/ruído. O sistema de microfone direccional adaptável irá
identificar activamente se as fontes de ruído concorrem com
a voz, colocando a característica direccional polar de modo a
corresponder à localização da fonte de ruído e a eliminar
esta última.
Vários aparelhos auditivos Widex contêm igualmente um algoritmo avançado para realce da voz/redução do ruído.
Através deste sistema, é analisado se a entrada em cada uma
das bandas de frequência é constituída principalmente por
“voz” ou “ruído”. Em seguida o algoritmo ajusta automaticamente o processamento do sinal, de forma a tornar mais
confortável a audição com ruído. Simultaneamente, ao detectar ”voz”, o aparelho auditivo irá ajustar automaticamente o processamento do sinal para que realce a voz.

Redução máxima do feedback


Desafio:

O feedback acústico ou assobio pode surgir se o aparelho auditivo não estiver bem ajustado ao ouvido da criança ou quando o aparelho entra em contacto com ou é tapado por objectos como um chapéu, por exemplo.
Quando o feedback ocorre, os pais ou a criança têm tendência para baixar o volume do som do aparelho auditivo. Essa redução do volume do som impede a criança de obter a amplificação necessária através do aparelho auditivo, impedindo, assim, a criança de ouvir a fala proferida em voz baixa bem como os sons baixos.

Solução:

Um aparelho auditivo que consiga eliminar eficazmente o feedback, proporcionará a amplificação correcta para que a criança possa compreender a fala e o som. O sistema adaptável de eliminação do feedback Widex poderá determinar, de facto, se está a ser produzido feedback acústico e eliminá-lo imediatamente, sem redução da intensidade do som. Dessa forma, a criança consegue sempre ouvir a fala proferida em voz baixa bem como os sons circundantes.

Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa

Controlo da voz


Desafio:

É frequente as crianças com perda de audição não conseguirem ouvir a complexidade da sua própria voz, o que poderá afectar a sua expressividade e tornar a voz delas difícil de compreender. A criança poderá evitar comunicar com os outros, o que poderá impedir, ainda mais, o desenvolvimento da fala e da linguagem.

Solução:

Os aparelhos auditivos multicanal podem proporcionar uma amplificação adequada, para que a criança possa ouvir nitidamente as diferentes características da sua própria voz e da voz dos outros. Um ensaio clínico demonstrou uma redução significativa no número de erros de fala, quando o aparelho auditivo da criança é substituído por um aparelho multicanal Widex.
Todos os aparelhos auditivos digitais Widex são aparelhos multicanal. Combinado com um tratamento de sinal digital e um baixo limiar de audição, estes aparelhos auditivos proporcionam uma solução óptima para o controlo da própria voz.
 
Parceria Pediátrica Widex
(Widex Paediatric Partnership)
Na Widex consideramos que um tratamento precoce, com aproveitamento das vantagens técnicas que a técnica digital oferece, pode proporcionar a uma criança com perda auditiva um bom começo de vida e permitir-lhe utilizar todos os seus sentidos para viver a vida em pleno. Por essa razão iremos aplicar muitos recursos no desenvolvimento de aparelhos auditivos e da perícia técnica, para que também as crianças com perda de audição possam ter um desenvolvimento óptimo.

O esforço e o empenhamento que os pais, o pessoal de audiologia da clínica da audição/do Instituto da Audição e a Widex desenvolvem conjunto, para ajudar as crianças a ter uma melhor audição, constituem a Parceria Pediátrica Widex.

Obtenha a ajuda de que o seu filho precisa

Página da Widex na Internet
Na abrangente página da Widex na Internet, www.widex.dk, poderá encontrar informações complementares sobre a audição, os aparelhos auditivos e sobre muitos outros aspectos.

Sob o título ”Crianças”, encontrará um espaço especial para as crianças brincarem, denominado: Diverte-te com a Dexi. Neste espaço, a Dexi leva as crianças numa caça a um tesouro afundado. A Dexi fala-lhes sobre a audição e sobre as orcas e permite às crianças que encenem o seu próprio filme de aventuras, no estúdio de filmes da Dexi.

À semelhança de outras actividades desenvolvidas no âmbito da Parceria Pediátrica Widex, pretende-se que esta página na Internet ajude a transformar o aparelho auditivo num elemento agradável e natural do dia-a-dia das crianças com perda auditiva e das suas famílias.
Esperamos que as crianças mostrem, com orgulho, a página na Internet “delas”, “Diverte-te com a Dexi”, aos amigos e que consigam, desta forma, através da brincadeira e das gargalhadas, substituir a reprovação pela aceitação e pela compreensão. 

Nenhum comentário